Internacional

Portugal-Angola. João Lourenço preparou surpresa para Azeredo Lopes

Ministro teve audiência na Cidade Alta com o presidente e saiu de lá com "mensagem de amizade e normalidade". Mas é "prudente" não se pensar que a decisão do tribunal "deixa tudo como antes", diz "Jornal de Angola"

“Passo a passo, vai-se quebrando o gelo que permitirá a reposição da cooperação política nos mais altos patamares”, escrevia ontem, em editorial, o diretor do “Jornal de Angola”, Victor Silva. Sinal disso foi a surpresa que o presidente angolano, João Lourenço, reservou para o ministro da Defesa português, José Azeredo Lopes, que chegou no sábado a Luanda para uma visita oficial de cinco dias a Angola.

Uma audiência na Cidade Alta não constava do programa do ministro. Portugal nem sequer a tinha solicitado sabendo do mal-estar das relações entre os dois países por causa do processo contra o ex-vice-presidente Manuel Vicente. A decisão da justiça portuguesa de enviar o processo para Luanda na semana passada desanuviou as relações e o gesto do chefe de Estado angolano marca o simbolismo da nova era que se abre agora.

À saída da sua reunião com João Lourenço, Azeredo Lopes sublinhou a ideia de que a amizade entre os dois países não se deteriora com “incidentes”. Esclarecendo que o presidente angolano queria enviar ao governo português “uma mensagem de amizade e de normalidade”, o ministro sublinhou que as relações Portugal-Angola “nunca foram interrompidas”, porque são desses vínculos que se estabelecem “entre amigos e povos que se amam e se respeitam”.

“As relações entre os dois países são tão históricas, tão antigas, que evidentemente a minha presença é um convite que me foi endereçado pelo ministro da Defesa de Angola, há bem mais tempo do que factos recentes têm sido notícia, isso significa normalidade, o reiterar de uma relação de amizade, que traduz na circunstância de eu ter convidado o ministro da Defesa de Angola em retribuição a esta visita”, disse o ministro.

No entanto, como escrevia Victor Silva no “Jornal de Angola”,  se é certo que “o desconforto por que passaram as relações oficiais entre os dois países, parece agora ultrapassado”, não convém esquecer que o episódio Manuel Vicente “deixou danos que, apesar de reparáveis, ainda vão fazer-se sentir por algum tempo”.

Uma afirmação que poderá ser interpretada como podendo não estar ainda para breve uma visita oficial de João Lourenço a Portugal, desejo expressado por Marcelo Rebelo de Sousa e de que o “SOL” deu conta no sábado. Por isso, acrescenta o editorial, é “prudente não se pensar que a decisão do tribunal português, só por si, deixará tudo como antes”.

Prudência notada nas declarações de Azeredo Lopes à saída da reunião na Cidade Alta. Ser o primeiro membro do governo português em Luanda depois da decisão do Tribunal da Relação, embora sendo um episódio fortuito de agenda - a visita já estava marcada antes e inclui a 17.ª reunião bilateral luso-angolana no domínio da Defesa -, acrescentou peso e responsabilidade a cada palavra do ministro. E elas saíram bem medidas.

“As relações entre os dois países são tão históricas, tão antigas, que evidentemente a minha presença é um convite que me foi endereçado pelo ministro da Defesa de Angola, há bem mais tempo do que factos recentes têm sido notícia, isso significa normalidade, o reiterar de uma relação de amizade, que traduz na circunstância de eu ter convidado o ministro da Defesa de Angola em retribuição a esta visita”, referiu.

Mais tarde, já depois do encontro com o seu homólogo angolano, o general Salviano Sequeira, Azeredo Lopes falou em aprofundar a cooperação em matéria de defesa entre os dois países, ou, nas palavras do próprio, “é chegado o momento de alcançarmos com este relacionamento e essa cooperação um novo patamar”.

Azeredo Lopes falava de “uma cooperação ao nível da defesa” que passe “do nível técnico ao militar”. E concretizou com a ideia de que os dois países podem vir a participar “conjuntamente numa qualquer missão da paz, humanitária, no quadro de uma das organizações internacionais”. Ao mesmo tempo, o programa-quadro de formação em Portugal de militares angolanos foi prolongado até 2021.