Cultura

Piadas picantes em páginas inéditas de "O Diário de Anne Frank"

Documentos revelam anedotas e pensamentos sobre sexo. 

Piadas picantes em páginas inéditas de "O Diário de Anne Frank"

Ambas as páginas foram escritas a 28 de setembro, de 1942, pouco antes de, então com 13 anos, se ter escondido das forças Nazis que invadiram Amesterdão. "Vou usar esta página estragada para escrever algumas piadas picantes", anotou no manuscrito em que aparece um conjunto de frases riscadas.

"Sabem porque é que as meninas da Wehrmacht - as Forças Armadas da Alemanha Nazi - estão na Holanda? Para servirem de colchões para os soldados", é um dos escritos.

Anne Frank escreve sobre menstruação, prostituição e educação sexual. Por exemplo, sobre ter o período pela primeira vez aos 14 anos, "um sinal de que ela pode ter relações sexuais com um homem, mas não antes de se casar”.

The @annefrankhouse , with @HuygensING and @NIODAmsterdam, today presented the hidden text on two pages covered up with gummed paper in the first #diary of #AnneFrank, with its red checked cover. Thanks to new technology the text on the hidden pages has now been made legible. pic.twitter.com/cw9z0JnNFI

— Anne Frank House (@annefrankhouse) 15 de maio de 2018

"Como qualquer adolescente, ela está curiosa sobre o assunto", declarou Ronald Leopold, do museu da Casa de Anne Frank, em Amesterdão, citado pela BBC. "Ela escreveu sobre sexo de uma forma natural", comentou ainda.

 "Quem ler estas passagens vai ter dificuldades em aguentar a agargalhada", completou Frank van Vree, diretor do instituto Niod, que ajudou a analisar as imagens fotografadas em 2016. 

De acordo com o museu, esta não é a primeira vez que são confrontados com este tipo de passagens que Anne queria manter secretas. O museu defende-se explicando que o livro tem um grande interesse académico e que a publicação destes trechos"não altera a imagem".

Anne Frank viveu escondida durante dois anos até ser descoberta pelos soldados Nazis. Em 1945 morreu e o seu diário foi publicado pelo pai dois anos depois. 

 

Os comentários estão desactivados.