Sociedade

Professores admitem avançar com greve aos exames nacionais, aulas e lançamento de notas

Caso o Ministério da Educação mantenha a proposta de contagem do tempo de serviço apresentado hoje, professores admitem avançar com greve

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, disse hoje em declarações aos jornalistas, no final de uma reunião com o ministro da Educação, que considera uma “chantagem” a proposta de recuperação do tempo de serviço congelado.

De acordo com o responsável, o ministro informou a Fenprof de que ou os sindicatos aceitavam a proposta da tutela ou terminavam as negociações sobre esta matéria sem recuperação de qualquer tempo de serviço.

"Os professores não são filhos de um Deus menor", disse Mário Nogueira, a referir-se aos restantes trabalhadores da Função Pública que viram ser recuperados os anos de serviço que foram congelados.

Após a reunião com o ministro, Mário Nogueira esteve em contacto com outras estruturas sindicais, entre as quais a Federação Nacional da Educação, tendo chegado a acordo para a greve às avaliações a partir do dia 18, cujo pré-aviso de greve já foi entregue, se manter.

Além disso, ficou ainda acordada a hipótese de os professores avançarem para uma greve aos exames nacionais, bem como às aulas que ainda decorrem até ao final deste mês e a tarefas burocráticas, como é o caso do lançamento de notas.

A decisão final será tomada e conhecida na próxima quarta-feira à tarde, após terminadas todas as reuniões agendadas entre os sindicatos e o Ministério da Educação.