Sociedade

Greve dos trabalhadores de Saúde ronda os 100%

Declarações da coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila

A adesão dos trabalhadores da saúde, que se realiza esta sexta-feira, ronda os 100%, revelou esta manhã a coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila.

"O balanço do primeiro turno, que em muitos sítios começou às 20:00, é muito positivo, a maior parte dos hospitais está tudo com 100% de adesão, apenas com serviços mínimos a funcionar, tanto nas urgências, como blocos operatórios ou laboratórios", disse à agência Lusa.

"Mesmo em Lisboa, com exceção de Santa Maria, que está com 85% de adesão, os restantes hospitais rondam os 100%, assim como no Porto, Coimbra ou no Garcia de Orta, em Almada", acrescentou Ana Avoila.

Recorde-se que, às 23h00 de quinta-feira, trabalhadores dos hospitais, centros de saúde, INEM e serviços integrados no Serviço Nacional de Saúde (SNS) iniciaram uma greve de 24 horas. Todos os trabalhadores da saúde são abrangidos, excetuando médicos e enfermeiros.

O objetivo da greve, convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas, é exigir melhores "condições de trabalho e de vida". Os trabalhadores exigem também a admissão de mais pessoas no SNS e a integração de todos os trabalhadores com contratos de trabalho precários nos mapas de pessoal, bem como a negociação da carreira de Técnico Auxiliar de Saúde.

Os trabalhadores querem também o fim dos cortes no pagamento das horas de qualidade e do trabalho suplementar e "a justa valorização" da Carreira Especial de Técnico de Emergência Pré-Hospitalar.