Desporto

Cristi Rei

Jose Ignacio Fernandez Iglesias, mais conhecido por Nacho, o patinho feio do Real Madrid e da Selecção Espanhola, começou o jogo a fazer jus ao seu epiteto com um penálti sobre o melhor do Mundo! 

Mas tal como Eder em 2016, e muitas vezes na História do Futebol Mundial, os patinhos feios transformam se em estrelas cintilantes. Mas, mas,caro leitor, o nosso E.T. Eternizou se novamente! O nome mais falado em Espanha nas últimas semanas, o homem que monopoliza todos os debates, tremem no Real Madrid, nem respiram... CRISTIANOOOO

Para os mais puritanos do jogo em posse e controlo do jogo com bola, já dizia o eterno Johan Cruyff “ só há uma bola e se a tivermos o adversário não joga” este jogo foi uma demonstração clara, para os mais apaixonados pelo lado estratégico, Portugal fez 45 minutos inteligentes, explorando as debilidades de Espanha  sem bola e aproveitando fortes momentos de transição rápida.

Portugal não surpreendeu no seu desenho táctico, um 4x4x2 mais recuado no momento defensivo tentando condicionar a partir do momento que a bola entrava em Busquets, criando um bloco que defendia em 40 metros, o plano estava desenhado, deixar a Espanha ter bola em zonas recuadas, fechar o corredor central com os apoios de Fernandes e Bernardo Silva  e pressionar forte entre linhas forçando um erro ou uma má recepção para recuperar e sair rápido no espaço do Cristiano e na aceleração de Guedes. 

Com bola a ideia era executar rápido e em 2/3 passes atrair para os corredores laterais e forçar o 1x1, mas tudo mudou cedo demais... Depois de uma entrada arrasadora com o primeiro golo Portugal suspirou, relaxou e baixou os níveis de “ agressividade” na pressão deu vida e confiança a uma ideia de jogo Espanhola sempre focada em ataque posicional, com muita mobilidade por dentro e acelerando e “destruindo” o corredor direito de Portugal, fazendo constantemente superioridade numérica sobre Cédric e Bernardo Silva  ( como se imaginava, quase sempre um segundo lateral neste jogo.. pena!)

Portugal pode e deve fazer mais no seu processo em organização ofensiva com bola, claro que do outro lado estão dos melhores do mundo.. e é bom não esquecer que Portugal sob o ponto vista estratégico e plano de jogo táctico é das melhores Seleções  do Mundo hoje em dia, em 2016 ficou provado, mas precisamos de um grande William ( lento a reagir e na primeira pressão) e de uma rápida recuperação do Adrien para pressionarmos mais forte e mais subidos, atacar e desorganizar o adversário com bola e manter níveis de equilíbrio e intensidade sem bola.

Foi um grande espetáculo do ponto de vista dos golos e das reviravoltas, mas para os treinadores fica a certeza e a lição,  há um “mundo” pela frente se quiserem chegar ao trono!  Mas todos acreditamos Engenheiro.

Na batalha de Aljubarrota estávamos em notória inferioridade  numérica e ganhamos, hoje o nosso Cristi Rei quase que os enganava outra vez... 

E amanhã Messi Quo Vadis??