Politica

Marcelo diz que é "óbvio" que a esquerda aprove o Orçamento

Para o Presidente da República "acrescentar ruído ou crise" é "uma má ideia"

Marcelo Rebelo de Sousa mandou esta segunda-feira recados aos partidos que apoiam o governo sobre a aprovação do Orçamento do Estado para 2019. "O óbvio é que a atual fórmula governativa vote o Orçamento para 2019, assim mostrando que é capaz de durar uma legislatura, e que é uma das soluções alternativas sólidas para Portugal", disse o Presidente da República.

Para Marcelo, a não aprovação do orçamento são "cenários" que acrescentam "ruído" ou "crise". "Acrescentar ruído ou crise ao que é largamente imprevisível é uma má ideia. Já nos bastam as dúvidas vindas da situação externa. Para quê criarmos cenários que as agravem desnecessariamente?", questiona.

O facto de para o ano haver quer eleições europeias, em maio, quer eleições legislativa, em outubro, o "confronto eleitoral" poderá "intensificar-se", mas o Presidente reforçou que exige "estabilidade política" até ao fim da legislatura. Marcelo espera que "esse confronto não crie fatores também eles imprevisíveis ou mesmo inexequíveis para a trajetória orçamental em curso".

"O tempo que vivemos na Europa e no mundo exige cautela acrescida", alerta o Presidente que afirma estar a fazer tudo para "reduzir crispações, incutir confiança interna e externa e garantir estabilidade sempre, atenuando incertezas, ruídos ou nevoeiros que possam toldar a visão estratégica". Marcelo defende que é um "esforço que tem de ser de todos".