Politica

Trump reforça necessidade de controlo nas fronteiras e culpa democratas

Depois das polémicas à volta da separação de crianças dos pais na fronteira, Trump defende que "se não temos fronteira, não temos um país"

Donald Trump defendeu esta terça-feira o apoio à lei de tolerância zero nas políticas de imigração que têm separado pais e filhos nas fronteiras dos Estados Unidos. "Temos sempre de prender as pessoas que entram no nosso país ilegalmente", publicou o presidente na sua conta de Twitter.

"Das 12 mil crianças, dez mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles tentaram entrar no nosso país ilegalmente em várias ocasiões", escreve ainda Trump.

Para além de ter defendido o controlo das fronteiras, Trump rematou com um tweet onde afirma que "se não tivermos fronteiras, não temos país!". E a culpa é dos democratas. "Eles não se preocupam com o crime e querem que os imigrantes ilegais, não impora o quão maus eles possam ser, entrem e infestem o nosso país, como o MS-13. Eles não conseguem ganhar com as políticas terríveis deles, por isso veem-nos como potenciais eleitores", afirma.

E chegou mesmo a usar a Alemanha como exemplo afirmando que desde que os migrantes chegaram ao país houve um aumento de 10% na criminalidade. "Sê espera América", afirma

Apesar de tudo, Trump acredita que esta é a "melhor oportunidade de sempre para o Congresso mudar as ridículas e obsoletas leis de imigração. Façam-no, sempre tendo em mente que temos que ter uma forte segurança fronteiriça".

As publicações do presidente norte-americano surgem no dia em que o residente se reúne com os congressistas republicanos com as políticas de imigração na agenda.

As ex-primeiras-damas Laura Buch, Hillary Clinton, Michele Obama e até mesmo atual primeira-dama Melania Trump já vieram a público criticar a tolerância zero que está a separar crianças dos seus pais nas fronteiras dos Estados Unidos