Sociedade

Exército aluga camaratas a convidados de Aga Khan

Estado Maior arrecadará mil euros por noite com o aluguer de camas a jovens voluntários oriundos de países africanos.  

DR  

Com os hotéis de Lisboa a abarrotar e o preço dos quartos cada vez mais elevados, a comunidade ismaili teve de recorrer ao Exército para garantir camas para todos os convidados do jubileu de diamante do príncipe Aga Khan, cujas comemorações decorrem em Lisboa, no Parque das Nações, de 5 a 11 de julho. 

Entre os cerca de 40 mil participantes no evento, contam-se 200 jovens voluntários provenientes de Moçambique e de outros Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). Por «não terem grandes recursos», explica uma fonte ligada à organização do evento, o grupo tinha «interesse em ficar instalado em locais com um custo menos elevado do que um hotel». 

Por isso, iniciaram-se negociações entre o Estado Maior do Exército e representantes da comunidade ismaili, que ainda não estão totalmente fechadas. Mas já é certo que o grupo terá direito a ‘desconto’ nas dormidas. Nem a comunidade nem o Exército revelam os montantes que estão envolvidos, mas o SOL apurou junto de fonte militar que cada jovem deverá pagar cerca de cinco euros por noite - sendo que o preço normalmente praticado pelo Estado Maior é de 10 euros por dormida. Contas feitas, cada noite poderá render perto de mil euros ao Exército. As unidades colocadas à disposição do grupo ainda estão «a ser acertadas», sendo que o mais provável é que os 200 voluntários fiquem instalados no Regimento de Artilharia de Queluz e na Unidade de Apoio da Logística de Paço de Arcos. 

Segundo o Exército, que não revela oficialmente quaisquer pormenores sobre o acordo, o apoio ao evento de Aga Khan insere-se «na tipologia de apoios a entidades externas», sendo que a instituição garante já ter apoiado, entre janeiro e maio deste ano, 441 outras entidades.

A decisão do príncipe Aga Khan de escolher Lisboa para assinalar o seu jubileu de diamante (os 60 anos como líder espiritual) foi anunciada no início de 2018. E a capital portuguesa foi também escolhida para acolher a sede mundial do Imamat Ismili, depois de celebrado um acordo com o Estado português em 2015. A sede vai instalar-se, dentro de poucos meses, no Palácio Henrique Mendonça, junto ao El Corte Ingles. O edifício custou 12 milhões de euros ao príncipe Aga Khan, com o valor a reverter para a Universidade Nova, dona do imóvel desde 1990. O palácio já está em obras - um investimento de 20 milhões - e prevê-se que a sede possa estar em pleno funcionamento já no início do próximo ano.

Karim Aga Khan, de 81 anos, tornou-se imã da comunidade muçulmana xiita Imami Ismaili no dia 11 de julho de 1957, sucedendo aos 20 anos ao avô, o sultão Mahomed Shad Aga Khan, que o escolheu em testamento. A comunidade é composta por 15 milhões de fiéis, espalhados por todo o mundo.

O programa do jubileu de diamante engloba concertos no Altice Arena (com a participação de artistas como Cuca Roseta ou o argelino Cheb Khaled), além de visitas oficiais e conferências abertas ao público. Está também previsto que Aga Khan seja recebido na Assembleia da República, onde irá discursar aos deputados.