Combustíveis

César acusa Bloco de fazer caça ao voto

Presidente do PS ataca parceiro de acordo por causa do adicional ao imposto dos combustíveis. Alterações só no próximo orçamento. 

O líder parlamentar do PS, Carlos César, acusou esta quinta-feira o Bloco de Esquerda de “andar atrás da caça ao voto” por insistir na eliminação do adicional ao imposto sobre os combustíveis. O dirigente pediu responsabilidade no Parlamento, incluindo à “extrema esquerda”. O Parlamento vai avaliar projetos de lei e recomendações de todos os partidos, à excepção do PS, para colocar um ponto final na taxa extra, que aumenta a fatura dos consumidores em 4 cêntimos por litro nos combustíveis. Está em marcha a formação de uma coligação entre esquerda e direita para acabar com a medida, introduzida pelo governo PS em 2016, para compensar a quebra de receita fiscal.

No final da reunião da bancada socialista Carlos César não poderia ser mais claro: “Não é a meio da viagem que se tomam decisões”, e remeteu para o próximo Orçamento do Estado a avaliação do fim da taxa extra. Ainda assim não deu garantias absolutas: “ Admitimos que é importante discutir”, começou por dizer César, lembrando aos partidos mais à esquerda do PS que os recursos não são ilimitados. “Se diminuirmos algum imposto como se chega ao equlíbrio de tudo isto?”, perguntou César.

O PSD já assumiu que vai viabilizar o projeto-lei do CDS e desafiou tanto o PCP e o Bloco a garantirem uma solução que permita acabar com o adicional do ISP. Comunistas e bloquistas já deram sinais de que não vão criar obstáculos para acabar com o imposto extra. O debate realiza-se esta tarde em Plenário.