Internacional

Merkel fechará enfim as portas

A chanceler alemã dispõe-se a devolver os aspirantes a asilo aos países de entrada para salvar o seu Governo. 

Angela Merkel deposita o futuro do seu Governo na cimeira extraordinária deste domingo com nove outros países europeus no centro dos fluxos migratórios dos últimos quatro anos. A chanceler encontrar-se-á dias depois numa cimeira real, com os Vinte e Oito, mas sabe que de lá não sairá nada, como não saiu até ao momento. O bloco está desagregado e o Leste europeu caminhou demasiado no sentido de criminalizar e travar os fluxos migratórios para entrar em soluções coletivas. 

Segundo os últimos relatos saídos do Governo alemão - como os que ontem eram citados pelo El País, por exemplo -, a chanceler está disposta a aceitar o que até recentemente era tabu: deportar os requerentes de asilo com processos abertos noutros países, o que representa a quase totalidade de pessoas chegadas à Alemanha, uma vez que esse não é o seu primeiro ponto de entrada na Europa. Trata-se de uma grande cedência ao seu ministro do Interior, Horst Seehofer, que ameaça fazer tombar o Governo alemão caso não se reduzam significativamente as entradas.

Merkel quer negociar a nova postura na mini-cimeira de domingo antes de a apresentar aos 28. Caso aceite devolver refugiados aos países de entrada, Merkel estará efetivamente a terminar a prática de portas abertas que levou à entrada de mais de um milhão de pessoas só em 2016. A Itália estará do lado de lá da mesa para ouvi-la. Espanha e França, também. Mas a Áustria e os quatro países do Grupo de Visegrado vão boicotar o encontro de domingo. «Digamos apenas que não pertencemos a este grupo de amantes de migrantes», diz Mateusz Morawiecki , primeiro-ministro polaco.