Economia

Uber. Queixas aumentaram 112%

Os motivos são os mesmos que no caso dos táxis, mas em escalas muito diferentes.

Mais 112% 
De acordo com o Portal da Queixa, a Uber registou, só nos primeiros cinco meses deste ano, um aumento significativo das queixas, comparativamente com o período homólogo.
Até ao final de maio do ano passado, foram dirigidas à Uber 33 reclamações. Já este ano, em apenas cinco meses, já foram registadas na plataforma do Portal da Queixa cerca de 70 reclamações, o que se traduz num aumento de 112%. No mesmo período em análise, a ANTRAL, que representa os taxistas, registou apenas 36 reclamações (2018), um aumento de 44% face ao ano anterior (25 reclamações).  

Motivos 
Se, neste momento, se está a perguntar de que mais se queixam os portugueses, temos a resposta pronta. Tendo por base os dados divulgados pelo Portal da Queixa pode dizer-se que “as empresas de mobilidade no transporte de passageiros em veículos ligeiros apresentam os mesmos motivos de insatisfação por parte dos seus utilizadores, mas em escalas diferentes. Cobranças indevidas e tarifas abusivas, falhas nas emissões de faturas, irresponsabilidades e má educação dos motoristas são os principais motivos das reclamações dirigidas à Uber e ANTRAL”.

Falta de resposta é problema

O Portal da Queixa salienta ainda que "a ausência de resposta (apenas 14 respostas em 229 reclamações) e a baixa taxa de resolução dos problemas dos consumidores, coloca a Uber com um baixo Índice de Satisfação – atribuído pelos consumidores no Portal da Queixa - 34.9% em 100%. As 14 respostas verificadas foram dadas até 1 de fevereiro, sendo que, depois dessa data, não houve qualquer interação por parte da marca. Por sua vez, a Antral, apresenta uma taxa de resposta de 99% e o seu Índice de Satisfação é de 52.4% em 100%".