Desporto

Ricardinho pondera retirar-se da seleção antes do Mundial


“Não quero terminar com as pessoas a terem pena de mim”
 

DR  

O capitão da seleção nacional de futsal, Ricardinho, confessou que está a pensar retirar-se da seleção nacional antes do Mundial 2020.

Confrontado com uma resposta que tinha dado numa entrevista anterior, onde dizia que estava a pensar retirar-se da seleção nacional depois do campeonato do mundo, Ricardinho esclareceu que esta saída pode ocorrer ainda antes: “Foi uma coisa pensada, aliás penso retirar-me até antes do Mundial. Para que veja que as coisas estão tão pensadas e amadurecidas, eu penso até retirar-me antes do Mundial. Isto pelo desgaste psicológico e desgaste físico. Nos últimos 11 anos eu conquistei dez campeonatos, entre dois anos no Japão, seis meses na Rússia e cinco anos em Espanha, mais os jogos da seleção em que fazes quase sempre os apuramentos fora. E depois há Mundiais, Europeus... Isto tudo junto resulta em muito desgaste”, disse o jogador de futsal, numa entrevista ao Diário de Notícias.

“O que eu queria, era perceber a parte mais difícil de todas: Não deixar que seja o desporto a abandonar-me, mas eu a abandonar o desporto. Isto é, que seja eu a decidir o momento de sair, de perceber que chegou ao fim e não andar-me à arrastar”, explicou Ricardinho. “Não quero terminar com as pessoas a terem pena de mim”, acrescentou.

“Se cada vez mais me custa recuperar, imagina aos 34, aos 35 com mais de cinquentas jogos por época. O meu desgaste psicológico é enorme com as viagens que faço, junta-se a isso a distância da família, o cansaço físico depois de cada jogo... Por isso eu penso: Serei eu capaz de ajudar a minha seleção? Serei eu capaz de superar esse cansaço para chegar ao Mundial e dar as mãos aos meus colegas para conseguirmos mais uma conquista?”, explica o jogador, que diz que já teve uma conversa com o selecionados nacional. “Obviamente que a Federação Portuguesa de Futebol não quer que eu abandone, obviamente que o selecionador não quer que eu abandone, mas as decisões difíceis são aquelas em que tens de deixar algo. Porque pedir é fácil, o problema é quando tens de abdicar de algo”, disse ao Diário de Notícias.