Economia

Licenciamento de obras de construção e reabilitação sobe 10%

Por região, a AICOOPN destaca os Açores, onde foram licenciados 450 fogos em construções novas até março, o que representou um aumento de 2,3%, em termos homólogos.

As câmaras municipais licenciaram 3.400 obras de construção e reabilitação de edifícios habitacionais até março, mais 10% face a igual período do ano passado, revelou a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Segundo a AICCOPN, o número de fogos licenciados em construções novas registou um crescimento de 21,1%, em termos homólogos, para um total de 4.203 habitações.

No primeiro trimestre deste ano, o consumo de cimento no mercado português atingiu as 645 mil toneladas, representando uma queda de 1,1%, em relação a igual período do ano anterior.

Quanto ao 'stock' de crédito concedido pelas instituições financeiras às empresas do setor da construção e imobiliário registou-se, em março, uma quebra de 5,4%, em termos homólogos.

Já o ‘stock’ de crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras a particulares diminuiu em 1,3%, para 92.940 milhões de euros.

Por seu lado, o novo crédito concedido para aquisição de habitação teve um aumento de 21,2%, lê-se no comunicado.

Quanto ao valor médio da avaliação bancária na habitação apurou-se, em março, um aumento de 5,4% em termos homólogos, fixando-se em 1.167 euros por metro quadrado.

Nos apartamentos, o valor fixou-se em 1.218 euros por metro quadrado, em resultado de um acréscimo de 5,5%, em termos homólogos.

Nas moradias, o valor médio de avaliação bancária foi de 1.077 euros, o que se traduziu num aumento de 5,0% face a março do ano passado.

Por região, a AICOOPN destaca os Açores, onde foram licenciados 450 fogos em construções novas até março, o que representou um aumento de 2,3%, em termos homólogos.

Destes, 44,9% são de tipologia T3 e 30,7% de tipologia T2.

Quanto aos valores de avaliação bancária na habitação nesta região verificou-se, em março, um aumento em termos homólogos, de 7,3% para 1.053 euros por metros quadrados.