Internacional

Nantes. Reforços de segurança enviados para suster protestos

A morte de um jovem às mãos da polícia francesa despoletou violentos protestos na cidade de Nantes. Doze pessoas foram detidas até ao momento

O governo francês ordenou o envio de forças de segurança adicionais para a cidade Nantes depois de duas noites de violentos protestos nas ruas. Os protestos estalaram na sequência da morte de um jovem pela polícia. Os protestos duram há duas noites, com vários edifícios e carros danificados e destruídos. 

A polícia deteu meia dúzia de manifestantes, mas não está a conseguir deter os manifestantes, que acusam a polícia de violência policial e de mentir sob as circunstâncias da morte do jovem. 

O jovem morto pelas autoridades era Aboubakar F, que, defende a polícia, estava sob vigilância por tráfico de droga. A polícia tentou detê-lo numa operação stop, mas, segundo as autoridades, recusou-se a parar. Os agentes terão alegadamente disparado quando o carro embateu num agente, acertando o jovem no pescoço. Várias testemunhas afirmam que o carro estava parado quando a polícia disparou contra Aboubakar e que nenhum polícia ficou ferido. 

Indignadas, várias pessoas foram para as ruas protestar em mais um sinal de tensão entre a juventude dos bairros e a polícia francesa. 

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, visitou Nantes e prometeu que as investigações seriam conduzidas com "total transparência", acrescentando que a violência e vandalismo não serão tolerados pelas autoridades.