Economia

Combustíveis sobem em semana que Cristas pede fim do adicional do ISP

Líder centrista apela aos partidos que aceitem a revogação do adicional de imposto a partir de janeiro

Os preços dos combustíveis voltam a subir a partir desta segunda-feira pela segunda semana consecutiva. Este avanço acontece depois de um período de mais de um mês em que os preços dos combustíveis apresentaram um alívio. Ainda assim, os aumentos vão ser ligeiros e deverão rodar o meio cêntimo.

Face esta previsível subida, de acordo com os dados da Direção Geral de Energia, o preço do litro deste tipo de combustível deverá fixar-se nos 1,579 euros. Já o gasóleo simples deverá fixar-se nos 1,363 euros por litro. 

De acordo com o último relatório de Bruxelas, depois de impostos, o preço médio da gasolina 95 octanas praticado em Portugal é o sétimo mais caro em toda a UE. Já o gasóleo ocupa a 6ª posição entre os países do espaço comunitário. O relatório da Comissão Europeia também deixa claro que a grande fatia do preço cobrado por cada litro de combustível vai para os cofres do Estado.

Sobretaxa

A presidente do CDS-PP desafiou os partidos a revogar o adicional de imposto sobre os combustíveis, proposta que irá a votação final esta semana na Assembleia, para que a revogação do adicional de imposto tenha efeitos a partir de 1 de janeiro, já com o orçamento de Estado do próximo ano. Assunção Cristas acusou ainda o governo de ter criado um falso imposto neutro. “Sabemos que não podemos fazer a eliminação total do imposto, mas podemos eliminar a sobretaxa criada em 2016, já que foi uma promessa desde Governo que seria um imposto neutro para o bolso das pessoas”, revelou. 

Durante a ação do CDS,, enquanto os automobilistas estavam a encher os seus depósitos, constataram que em 36 litros de gasóleo, que custaram 50 euros, só de impostos foram 26,20 euros, repartidos 16,92 euros em ISP e 9,28 em IVA.

"Mais de metade da fatura que se paga é de impostos e se pudermos tirar aquele que está em excesso já se pode poupar alguma coisa”, disse Assunção Cristas a um dos automobilistas, um jovem que revelou que 1/3 do seu ordenado é gasto em combustível, reconhecendo que “seria uma ajuda este imposto baixar”.

O governo introduziu em 2016 o denominado adicional sobre a gasolina e o gasóleo, quando os preços do petróleo, que, entretanto, foram aumentando, atingiram níveis historicamente baixos, nomeadamente o barril de Brent. S.P.P.