Internacional

Tailândia. Operações demonstram “um grande progresso em relação ao tempo feito na missão passada”

Falta resgatar cinco pessoas, mas “não se sabe se estes poderão ser todos salvos no mesmo dia”

O Chefe de Missão de Regaste do grupo preso na gruta, Narongsak Osatanakorn, deu uma conferência de imprensa, a dois quilómetros do local, sobre a operação de hoje que salvou quatro dos jovens que estavam encurralados na gruta Tham Luang, na Tailândia. As autoridades mostram-se otimistas, uma vez que as operações estão a decorrer mais rapidamente de dia para dia.

Segundo um jornalista do Guardian, os mergulhadores terão, esta segunda-feira, demorado duas horas a fazer o percurso até ao exterior da caverna, o querepresenta “um grande progresso em relação ao tempo feito na missão passada”.  Recorde-se que, inicialmente, as notícias apontavam para uma média de cinco horas e meia para a realização do percurso até ao exterior da gruta.

Na operação, estiveram envolvidos 18 mergulhadores de várias nacionalidades.

Sobre os restantes cinco que ainda permanecem dentro da gruta, o Chefe de Missão diz não saber qual a hora exata da próxima missão de salvamento e que “não sabe se estes poderão ser todos salvos no mesmo dia”.

Narongsak Osatanakorn acabou a conferência de imprensa com aplausos por parte de todos os presentes.

As crianças que saíram no domingo, segundo o Chefe de Missão de Resgate, encontram-se bem e estão a recuperar.