Sociedade

Fenprof: “Achamos que agora era altura de o senhor Presidente da República aceitar reunir-se com os professores"

Mário Nogueira reuniu-se com membros do PS e da AR

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, reuniu-se esta sexta-feira com outros representantes da plataforma, a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, e o coordenador do PS da área da educação na Assembleia da República, Porfírio Silva, para discutirem a recuperação do tempo de serviço congelado. Depois da reunião, Mário Nogueira considerou que agora é tempo de Marcelo Rebelo de Sousareceber os professores.

“Feitas as reuniões com todos os partidos, achamos que agora era altura de o senhor Presidente da República aceitar reunir-se com os professores", disse o secretário-geral aos jornalistas que ali se encontravam.

"Há um aspeto que nos deixa satisfeitos e outro que nos deixa preocupado", confessa Mário Nogueira, acrescentando que a questão do tempo de serviço congelado é "para ser negociada entre os sindicatos e o Governo e não é uma matéria da Assembleia da República".

"O que nos preocupa é não haver da parte dos representantes do PS, tal como houve da parte dos restantes partidos, uma posição clara de que nove anos, quatro meses e dois dias é o tempo a recuperar. Mas também é verdade que a questão não foi posta de forma contrária, ou seja, defendendo que seria só uma parte ou que o tempo não seria recuperado integralmente", diz.

Relativamente à proposta de um encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, o responsável afirma que não sabe “se o senhor Presidente está à espera que, um dia destes, uma delegação de professores esteja num sítio onde ele se desloca para lhe entregar um papel a pedir a marcação de uma reunião".

"O senhor Presidente se tiver um buraquinho na sua agenda, mesmo que seja neste período de férias, nós saímos do sítio onde estivermos e vamos lá. Era importante o senhor Presidente receber e ouvir os professores", rematou.