Desporto

Volta a Portugal. Rafael Reis vence prólogo marcado por várias quedas

O ciclista da Caja Rural, vice-campeão nacional de crono em 2017, vai arrancar hoje com a camisola amarela na primeira etapa, que liga Alcácer do Sal a Albufeira

Rafael Reis é o primeiro camisola amarela da 80.ª Volta a Portugal. O ciclista da Caja Rural, vice-campeão nacional de crono em 2017, venceu o prólogo, um contrarrelógio individual de 1,8 quilómetros disputado em Setúbal onde se registaram várias quedas logo na segunda curva, no início da Avenida Luísa Todi. O triunfo de Rafael Reis, ainda assim, obviamente pouca influência terá nas contas finais no próximo dia 12, em Fafe, quando for encontrado o sucessor de Raúl Alarcón, da W52 Porto, que conquistou a competição em 2017.

O conjunto nortenho, de resto, volta a assumir-se como o grande favorito a vencer a prova - e um verdadeiro alvo a abater por parte das restantes equipas em competição. Além de Alarcón, nas fileiras da antiga União Ciclista de Sobrado, comandada por Nuno Ribeiro, constam ainda Gustavo Veloso, vencedor em 2014 e 2015; Rui Vinhas, campeão em 2016, também pela W52 Porto; e Ricardo Mestre, que venceu a prova em 2011, então ainda ao serviço do Tavira. António Carvalho, vencedor do prémio JN, e José Neves, que ganhou recentemente o Troféu Joaquim Agostinho, são outros dos nomes fortes.

De Tavira chega novamente o principal concorrente dos portistas. Mais uma vez sob a designação Sporting-Tavira, a equipa mais antiga do pelotão mundial apresenta-se com três nomes para a classificação geral: o português Joni Brandão, segundo em 2015 e que falhou a edição do ano passado por motivos de saúde; o espanhol Alejandro Marque, vencedor em 2013; e o eterno italiano Rinaldo Nocentini.

A Efapel, última equipa a vencer antes do domínio portista, surge num segundo grupo de favoritos, com Henrique Casimiro e o experiente Sérgio Paulinho, oitavo e nono em 2017, respetivamente, como chefes de fila. Terceiro classificado em 2017, o espanhol Vicente García de Mateos, regressado de suspensão devido a irregularidades no passaporte biológico, é também um dos candidatos aos primeiros lugares, sendo que a Aviludo-Louletano conta ainda com Luís Mendonça, surpreendente vencedor da Volta ao Alentejo. Edgar Pinto, vencedor da última Volta a Madrid e terceiro em 2016, vai comandar a Vito-Feirense-Blackjack, enquanto a Rádio Popular-Boavista conta com o campeão português de fundo e contrarrelógio Domingos Gonçalves, além de João Benta e Daniel Silva.

Do estrangeiro chegam dez equipas, quatro das quais do escalão continental profissional mas que se apresentam com segundas linhas, pelo que dificilmente se poderão intrometer na luta pela vitória final.

Esta edição, que inclui uma etapa (a quarta) onde se irão homenagear os concelhos afetados pelos incêndios de 2017 - e que contará com a presença de Marcelo Rebelo de Sousa -, tem uma novidade nos regulamentos: as equipas apresentam menos um ciclista (sete, em vez dos tradicionais oito). Nos 1589,1 quilómetros que serão percorridos, destaque para o regresso do Alentejo e do Algarve à competição - e será já hoje, com a primeira etapa a ligar Alcácer do Sal a Albufeira, numa distância de 191,8 quilómetros que se prevê disputada sob um calor abrasador: as previsões meteorológicas apontam para temperaturas superiores a 40 graus.