Desporto

Sporting. Rui Jorge Rego candidato à liderança

Com as suspensões de Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, e com o apoio de Zeferino Boal a Ricciardi, o advogado apresenta-se como o sétimo candidato

Num comunicado enviado às redações, Rui Jorge Rego anunciou que vai ser candidato à presidência do Sporting Clube de Portugal.

Na mesma nota, é possível perceber os quatro objetivos principais que o candidato apresenta: Fazer a “gestão profissional da SAD, parcerias estratégicas para investimento, internacionalização da marca e novos modelos de negócio”.

O advogado de 46 anos apresenta ainda um lema para o seu trabalho eleitoral, que se no “Projeto e futuro”. Segundo o próprio, a “paixão pelo Clube, visão de futuro, ambição no negócio, cultura de exigência empresarial, foco na competição e capacidade financeira” são as principais características do trabalho que irá desenvolver.

O antigo secretário da Mesa da Assembleia Geral (que assumiu o cargo no mandato de Godinho Lopes entre 2011 e 2013) enumerou ainda 10 medidas base caso saia vencedor no dia 8 de setembro:

"1. A Direção pede ao Presidente da Assembleia Geral que elabore o projeto de revisão dos estatutos, com autonomia e independência. O presidencialismo não faz sentido. É preciso devolver autonomia a todos os órgãos sociais do Clube.

2. A Direção nomeia um Chairman para a SAD; profissional de topo com forte ligação ao Sporting. Zela pela eficácia e transparência da gestão, mas também pelos valores do Clube.

3. O Presidente do Clube lidera o Conselho de Administração da SAD. Conduz o plano estratégico e representa o acionista maioritário.

4. O Presidente recruta para a SAD um CEO entre os melhores profissionais da indústria, com três objetivos claros: ganhar títulos, gerar lucros e globalizar o Sporting.

5. Baixar custos e crescer a partir do patamar de sustentabilidade. As parcerias estratégicas permitem ao Sporting fazer mais e melhor, gastando menos.

6. Ter os melhores jogadores. O plantel tem de integrar as promessas da formação e as estrelas contratadas com apoio dos parceiros. Isto reduz custos e aumenta a competitividade.

7. Aumentar a receita, as redes de contactos e investir onde o Sporting pode crescer mais, e mais depressa. Criar uma plataforma internacional de negócios, com parceiros na China, Brasil e África.

8. Investir no scouting e na Academia, que tem perdido energia e competitividade. É preciso rever o percurso de afirmação dos jogadores e sua valorização. A identidade formadora do Sporting é o seu maior ativo nos mercados internacionais.

9. As modalidades - ditas amadoras - gerem orçamentos acima dos 20 milhões de euros. É preciso gestão profissional, alicerçada nos mesmos princípios da SAD: formação; contas saudáveis; internacionalização; gestão e crescimento. Queremos mais modalidades, sucesso desportivo, mas também desporto para todos e serviços para os sócios, simpatizantes e cidadãos em geral.

10. Realizar programas escolares, em Portugal e nas comunidades espalhadas pelo mundo, promovendo o Amor ao Sporting nas novas gerações em todas as geografias".

Rui Jorge Rego vai assim competir contra Francisco Varandas, Dias Ferreira, João Benedito, Pedro Madeira Rodrigues, Fernando Tavares Pereira e José Maria Ricciardi.