Sociedade

GIPS só tiveram seis semanas de formação

'Pressão' do Governo obrigou a acelerar curso. Especialistas avisam que tempo de formação não é suficiente: até um bombeiro demora mais a estudar até poder ir para o terreno

Os cerca de 550 militares da GNR que este verão passaram a integrar o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) - que, entre outras missões, se ocupa do combate aos incêndios florestais - só tiveram seis semanas de formação.

O curso, apurou o SOL junto de várias fontes da GNR,  durou metade do tempo que duraram os anteriores e o ‘encurtamento’ teve a ver com «pressões» do Governo para que os militares estivessem no terreno a tempo do início da época de fogos. Entretanto, bombeiros e especialistas avisam que seis semanas não é suficiente para garantir formação adequada numa área complexa como os incêndios florestais. 

Saiba mais na edição impressa do SOL