Desporto

Benfica traído por um sedutor profissional

Festival de ocasiões falhadas e um golo de um egípcio despedido do Feirense por assediar esposas dos colegas deixam águias em risco.

DR  

Quem tivesse visto apenas a primeira parte do encontro entre Benfica e PAOK, na primeira mão do playoff de apuramento para a Liga dos Campeões, não acreditaria se lhe dissessem, mais tarde, que o jogo tinha terminado 1-1. Ou talvez acreditasse, dada a velha máxima do ‘Quem não marca arrisca-se a sofrer’. As águias desperdiçaram um rol imenso de oportunidades de golo nos primeiros 45 minutos, quase todas por Pizzi e Gedson Fernandes, e acabaram por sofrer o rude golpe já no último quarto de hora.

O Benfica até marcou logo a abrir, mas o tento do jovem médio lançado esta época por Rui Vitória acabaria por ser anulado por alegado fora-de-jogo - isto, apesar do próprio Gedson garantir ter ficado com a sensação de que o argentino Ferreyra não havia tocado na bola, o que conferia legalidade ao lance. Depois de muitas ocasiões, com bolas no ferro à mistura, os encarnados chegariam finalmente ao golo em cima do intervalo, num penálti sofrido por Gedson e convertido por Pizzi - já lá vão cinco golos em igual número de jogos.

O segundo tempo foi mais equilibrado e o conjunto grego, capitaneado pelo campeão europeu luso Vieirinha, conseguiria mesmo chegar ao empate aos 76 minutos, com o egípcio Warda a faturar na recarga a um remate de Fernando Varela, central cabo-verdiano que em Portugal jogou, entre outros, no Feirense. Mas durante um ano, ao contrário do médio egípcio, que chegou a Santa Maria da Feira na época passada e durou... três dias: acabou dispensado por, alegadamente, ter assediado as esposas de dois colegas.

Agora, resta aos encarnados dar a volta ao texto na Grécia, perante uma equipa que já deixou para trás nesta competição o Spartak de Moscovo e o... Basileia, que na época passada goleou o Benfica (5-0 na Suíça, vencendo depois por 2-0 na Luz). Na véspera do jogo, de resto, Rui Vitória deixou o alerta, rejeitando a ideia de que o PAOK é uma equipa mais fraca do que o Fenerbahçe, conjunto afastado pelas águias na eliminatória anterior.

A favor do Benfica joga o passado: nas duas visitas anteriores a Salónica, os encarnados venceram sempre. Aconteceu em 99/00, na então denominada Taça UEFA (2-1), e mais recentemente em 2013/14, já na Liga Europa e então com Jorge Jesus ao comando (1-0).