À Esquerda e à Direita

Marcelo já não é o Comandante Supremo das Forças Armadas

Como é possível o ministro da tutela, Azeredo Lopes, não ter dito ainda nada? Este antigo aliado de Sócrates, colocado então na Entidade Reguladora para a Comunicação Social, permite que não se possam evocar homens a quem o país muito deve

 

Ponto prévio: escrevo esta crónica porque homens como Ramalho Eanes, Jaime Neves ou Victor Ribeiro lutaram pela liberdade e democracia e contribuíram para um país livre onde, supostamente, se pode dizer e escrever o que se pensa. Se não fossem os militares que fizerem o 25 de Novembro muito provavelmente teríamos vivido até 1989 numa espécie de Albânia, onde a ditadura comunista teria sido uma realidade e Portugal seria hoje um país muito mais atrasado, à semelhança da pátria de Enver Hoxha, um estalinista convicto. 

Mais de 40 anos depois, parece que vamos ter de lutar, de novo, pela defesa de um país democrático, embora desta vez as armas tenham de ser substituídas pelas palavras e ação. Ou seja, a sociedade civil é que tem de inviabilizar uma nova forma de ditadura, onde uns tantos querem obrigar as maiorias a sujeitarem-se aos seus devaneios. Vem esta conversa a propósito do que se passou nos últimos meses no Exército, em que o comandante do Regimento de Comandos, uma das tropas de elite formada aquando da Guerra Colonial, foi exonerado por numa cerimónia militar ter elogiado um dos homens mais importantes do regimento e que fundou a Associação de Comandos: Victor Ribeiro.

«Permitam-me homenagear e prestar o meu público reconhecimento a este grande português, um dos últimos guerreiros do império, que como militar, adicionalmente à sua promoção por distinção, foi condecorado com as medalhas de Valor Militar e da Cruz de Guerra e como civil foi agraciado, na véspera do seu falecimento, ainda consciente, no leito onde agonizava, com a Ordem do Infante D. Henrique, pelo Presidente da República», disse na altura o coronel Pipa Amorim, comandante dos Comandos.

Como antes já tinha defendido que os instrutores acusados no caso das mortes dos recrutas dos comandos mereciam uma defesa justa, Pipa Amorim apenas cumpriu um ano à frente da célebre tropa de elite, já que o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, não lhe perdoou a ousadia de ter defendido um militar do 25 de Novembro e de querer que o Exército defendesse melhor os seus instrutores.

 

Certo é que a evocação ao 25 de Novembro foi fatal para Pipa Amorim, revelando que a esquerda mais radical tem muito mais força do que imaginamos. Como é possível o ministro da tutela, Azeredo Lopes, não ter dito ainda nada? Este antigo aliado de Sócrates, colocado então na Entidade Reguladora para a Comunicação Social, permite que não se possam evocar homens a quem o país muito deve. António Costa, o verdadeiro mestre da política, tem de fazer cedências aos parceiros da geringonça, dando por isso instruções para que o BE e o PCP tenham algumas alegrias. No meio disto tudo também não se percebe o papel do Presidente da República que condecorou Victor Ribeiro um dia antes deste morrer com a Ordem do Infante. Marcelo Rebelo de Sousa já não é o Comandante Supremo das Forças Armadas? Ou será que também concorda que voltemos ao 24 de novembro, quando uns tantos paraquedistas afetos à extrema-esquerda quiseram tomar conta do país, para instaurarem uma ditadura comunista? 

Um país que não se orgulha de homens que lutaram pela liberdade e que defenderam a pátria quando lhes pediram, é uma nação doente e à beira de ser conquistada por radicais que fazem muito bem o seu papel quando estão na oposição, mas que são um verdadeiro perigo com o poder nas mãos. 

 

P. S. Já agora, o que diria Mário Soares deste desrespeito pelo 25 de Novembro? 

P. S. 2. Rui Rio deve achar estes temas uma chatice pegada e, por isso, nem abre a boca.