Opiniao

«Foice o tempo»

Esta mensagem é muito curiosa, porque, tal como em outros exemplos já fotografados, brinca com os sons e significados das palavras. O que está escrito é: «Foice o tempo», mas o que se lê é o homófono: «Foi-se o tempo».

Realmente, o tempo ceifa o próprio tempo, como se utilizasse uma foice, que nos expropria do tempo que possuíamos. A vida é, efetivamente, uma corrida contra o tempo e parece que, muitas vezes, chegamos atrasados a vários momentos em que já nada podemos fazer porque o tempo já ceifou tudo. É uma sensação de impotência correr contra um senhor tão poderoso quanto o tempo, que vence sempre. Mas, mesmo à partida sabendo-nos perdedores, empenhamos todas as nossas forças na luta.

E se pensarmos no que é o tempo, chegamos à conclusão de que é um conceito estranho. Segundo o dicionário, é «a sucessão de momentos em que se desenrolam os acontecimentos; período contínuo e indefinido no qual os eventos se sucedem; período determinado para a realização de algo; falta de pressa, lentidão»; entre vários outros significados. Mas todos sabemos que é muito mais do que isto e que é difícil de explicar.

Vários são os estudiosos de diferentes áreas do conhecimento (como a Filosofia, a Matemática, a Física, etc.) que têm estudado o que é o tempo. E a conclusão a que já chegaram é que o tempo é uma grandeza física fundamental, que pode ser medida utilizando um processo periódico, ou seja, um processo que se repete de maneira idêntica indefinidamente. Mas isto é o tempo do ponto de vista científico. Há, ainda, aquele que comanda os nossos dias e que é marcado pelo relógio, e este é uma construção histórica.

No fundo, a noção de tempo é comum ao ser humano, visto que todos somos, em geral (constituem exceção as crianças muito pequenas e as pessoas com determinadas doenças psiquiátricas), capazes de ordenar no tempo os eventos que percebemos através dos sentidos. E isto porque o ser humano possui o mais alto nível de consciência entre todos os seres, o que permite não só ter conhecimento do tempo como também ter um sentido do tempo, que é ter consciência mental dele.

E o sentido do tempo é o que nos permite perceber a diferença entre presente, passado e futuro. A consciência mental do tempo é o que nos permite sentir o passar do tempo, no momento em que o vivemos, enquanto «algo» que nos vai fazendo envelhecer ao longo da vida, mesmo que tentemos negar a sua existência, como o faz Drummond de Andrade, ao afirmar: «São mitos de calendário / tanto o ontem como o agora».

Ora, enquanto estamos a experienciar o tempo, sentimos que este passa mais depressa ou mais devagar, consoante aquilo que estamos a fazer e consoante gostamos ou não do que está a suceder. Assim como na felicidade temos a sensação de ligeireza existencial, o tempo aparece como um peso em momentos de aborrecimento em que não acontece nada (como quando estamos à espera), e em que vivenciamos uma sensação próxima da duração do tempo puro. Di-lo Mourão-Ferreira de forma poética: «E por vezes as noites duram meses / E por vezes os meses oceanos / E por vezes os braços que apertamos / nunca mais são os mesmos / (…) E por vezes por vezes ah por vezes / num segundo se evolam tantos anos».

E se o tempo passa, se temos a sensação de que ele nos escapa, porque é verdade o que diz Sophia – que «Há mulheres que trazem o mar nos olhos / (…) / E (…) Ficam para além do tempo» –, também sentimos a sua foice à nossa espera, à medida que nos afastamos da criança que fomos, e vamos, a passos lentos ou rápidos, aproximando-nos do velho em que iremos tornar-nos.

 

Maria Eugénia Leitão

Escrito em parceria com o blogue da Letrário, Translation Services