Opiniao

O Algarve não gosta de portugueses

Há que repensar o turismo no Algarve, face à concorrência de outros países com ofertas bem mais económicas

Época estival, férias em agosto, como tantos portugueses. Uns aqui, outros ali, eu fui com a família para as bandas de Vilamoura. Praias cheias, restaurantes compostos, muitos franceses, muitos espanhóis, muitos portugueses – turistas ou emigrantes, a falar francês. 

Noutra crónica referi que há que repensar o turismo no Algarve, face à concorrência de outros países com ofertas bem mais económicas, sobretudo Turquia ou Norte de África, bem capazes de captar turistas internacionais. Referindo isto, não consigo esquecer alguma antipatia natural neste mês de agosto pelos donos dos restaurantes em relação aos portugueses. Claro que existem exceções – e conheço diversas – mas a verdade é que ‘há demasiado fumo para não haver fogo’.

Contam-se histórias aos montes sobre essa antipatia, ou até agressividade, mas relato apenas duas muito semelhantes que se passaram com a minha família. Chegados ao restaurante pouco depois das 15h00, num grupo grandinho de mais de 10 pessoas, a reação nos dois casos foi idêntica: «A cozinha já fechou». Chama-se a isto atrair o turismo? Se a isto acrescentar que, num caso, o dono até disse «se ficar aberto, fico sem comida para o jantar», temos uma boa imagem de como estas casas são geridas, reveladora da mentalidade prevalecente...

Findo com um desabafo de um algarvio que se queixava de apenas trabalhar no Verão, falando do «paraíso do Inverno e um Verão de inferno»! Assim, não vamos lá. Há mesmo o sério risco de, internacionalmente, outros destinos começarem a ser mais atrativos. Não falo apenas de serem mais baratos – falo, sobretudo, da qualidade do serviço.

P.S. – Lembram-se do PRD? Nasceu à volta de Ramalho Eanes (com Hermínio Martinho), cresceu e até foi surpresa, sendo o terceiro partido mais votado ao eleger 45 deputados nas eleições de 1985. Mas quem se recorda dele hoje? Os mais novos, nem ideia têm. E os mais antigos só se lembram que tão depressa apareceu como desapareceu. 
Razões? Inexistência de ideias diferentes e, em consequência, total incapacidade de captação de militantes. 

Um partido tem de ser muito mais do que uma pessoa, tem de ter identidade de pensamento para atrair militantes. Ou seja, erguer-se pela afirmativa, através de ideias e pensamentos sobretudo doutrinários, e nunca pela afirmação de querer ser alternativa na sequência de uma derrota interna eleitoral. 

De uma coisa tenho a certeza: António Costa vai dar à Aliança de Santana Lopes toda a cobertura que puder, porque todos os votos que conseguir roubar aos restantes partidos da sua oposição natural irão contribuir para a sua própria maioria absoluta.