LifeStyle

A cozinha de Monção em Lisboa

O Solar dos Presuntos é um restaurante de referência no que diz respeito à gastronomia do Norte e abriu há 44 anos em Lisboa.

A gastronomia do Alto Minho marca presença na baixa lisboeta desde 1974. «A alta cozinha de Monção» é o lema que acompanha, há mais de 40 anos, o restaurante Solar dos Presuntos, diariamente nas refeições típicas do Norte de Portugal - não fosse esse um dos segredos da casa: «O êxito deve-se muito à qualidade dos produtos», explica Evaristo Cardoso, proprietário e fundador do Solar dos Presuntos.

Pelas 11h30 da manhã começam a chegar as santolas, as lagostas e os lavagantes vivos. Estes ficam num aquário de grande dimensão, que está situado logo na entrada. Evaristo Cardoso afirma que «os clientes podem escolher o marisco que querem degustar, antes de ser confecionado».

A escolha do cliente já é um hábito enraizado no Solar, continua o proprietário, relembrando que a frescura dos produtos que chegam todos os dias de Peniche, do Algarve e de Sines, também fazem parte da imagem de marca que «começa pela montra, quando os clientes chegam e vêm o espetáculo de mariscos, continua até aos pratos e passa também pelo serviço que oferecemos».

A especialidade do Solar dos Presuntos é o arroz de lavagante. Mas as receitas da mãe da esposa de Evaristo continuam a fazer sucesso em Lisboa: peixe ao sal ou no forno (robalo, dourada ou pargo), arroz de lagosta e gambas, paelha com marisco, bacalhau no forno à minhota ou cabrito no forno à moda de Monção são os pratos que mais têm saída.

Quem está à frente da cozinha, há 25 anos, é o chefe José Silva que segue à risca os temperos da sogra de Evaristo. Começa a preparar os pratos a partir das 11h30 da manhã, com uma pausa das 15h30 às 19h30. Neste intervalo fazem-se limpezas a fundo na cozinha e reabrem novamente das 19h30 até às 23h30.


Fotografia de Bruno Gonçalves

No entanto, o espaço também chama à atenção dos clientes por outros elementos: os três pisos que constituem o Solar contam com cerca de 180 lugares distribuídos por cinco salas, decoradas com fotografias de todas as figuras públicas que visitaram o espaço até ao momento. O traço do arquiteto Ressano Garcia ainda hoje está visível no restaurante, que começou com apenas um piso (o rés-do-chão) e agora tem vindo a ser cada vez mais ampliado: algo que o proprietário continua a prever no futuro. «As mais recentes obras foram para aumentar a cozinha e mesmo assim, ainda continua um pouco pequena», brinca com o facto de a casa encher todos os dias.

Há também troféus e prémios espalhados pelo restaurante, um elevador que liga todas as salas, para facilitar a mobilidade dos clientes, um estacionamento privado na rua em frente, que conta com 18 lugares destinados aos clientes, e 45 funcionários que estão constantemente em serviço para satisfazer todos os pedidos.

Dentro das casas de banho, há toalhas individuais para cada pessoa, em que o emblema do Solar está cravado no tecido. Mas, não é o único sítio onde se vê o símbolo do restaurante: os pratos, talheres, copos e travessas também contam as letras douradas que já são conhecidas mundialmente.

Figuras que passaram por lá Em 1986, Evaristo Cardoso foi convidado para acompanhar a seleção portuguesa, como cozinheiro, no Mundial do México. A partir daí, a fama do proprietário começou a crescer, tal como a onda de clientes famosos no Solar.

O dono conta que tem muito carinho por todos os clientes que por lá passam, mas é o deputado Fernando Nogueira, a atriz Manuela Maria e o pioneiro do teatro em Portugal, Filipe La Féria, os amigos de longa data que gosta de receber no seu restaurante.

O proprietário afirma que o ex-primeiro -ministro e Presidente Mário Soares costumava lá ir todos os dias; o atual primeiro-ministro, António Costa, tem um prato de eleição: a paelha com marisco; muitos brasileiros pagavam para Evaristo tirar a fotografia de José Sarney - ex-Presidente do Maranhão e Brasil - ao que ele negava sempre, afirmando fazer «parte da minha história». O Cristiano Ronaldo, «cada vez que vem cá, gosta de passar por aqui», a Madonna veio ao Solar comer peixe ao sal com batata a murro e legumes e o Jorge Jesus ainda continua a cá vir e muitas vezes, após o almoço, «ficava até às 16h da tarde a jogar às cartas comigo», confessa o fundador. Mas as figuras são muitas e de todas as áreas: desde Amália Rodrigues, Carminho, Mariza, Tony Carreira, Cláudia Raia, Christiane Torloni, David Backham, Luiz Felipe Scolari a Cavaco Silva e Alberto João Jardim, são algumas das caras conhecidas que estão no livro «A Graça do Evaristo», sobre a história do restaurante. 

 

Solar dos Presuntos

Rua das Portas de Santo Antão,
n.º 150, Lisboa
Aberto desde 1974
Especialidades: marisco, peixe e carne