Sociedade

Ministro do Ambiente diz não ser necessário reunião com Espanha sobre Tejo

João Matos Fernandes reagiu ao comunicado emitido pela associação ambiental ZERO, que pedia “uma reunião urgente” entre Portugal e Espanha

O Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, reagiu ao comunicado emitido esta quarta-feira pela associação ambiental ZERO, onde era pedida uma reunião entre Espanha e Portugal, sobre a “situação crítica” que se verifica no rio Tejo. De acordo com o ministro, tal não é necessário.

“Temos, de facto, um problema com a qualidade da água que já dissemos que é [um problema] e, por isso, não vale a pena reclamar nenhuma reunião. Nós temos estado em conversação contínua com os nossos colegas espanhóis, sendo que, de facto, a albufeira de Cedillo [Espanha], neste momento, está parcialmente eutrofizada e tem água com muito má qualidade e isso é, obviamente, uma preocupação para nós e que estamos a gerir em conjunto”, explicou o ministro relativamente à proposta da reunião que tinha como objetivo encontrar uma "solução” para o agravamento da qualidade da água.

De acordo com a associação, a "situação tem vindo a agravar-se" na zona de Perais, distrito de Castelo Branco, e na albufeira de Fratel, em Portalegre,onde os registos de valores de oxigénio dissolvido na água têm estado abaixo dos limites mínimos. Em Perais, de acordo com a ZERO, os valores "refletem essencialmente a qualidade da água proveniente de Espanha".

João Matos Fernandes adianta ainda que os valores de ontem “já eram mais positivos do que nos dias anteriores”. Além disso, o ministro garante ainda que “está tudo montado para uma ação de emergência, se ela for necessária, acreditando que agora, com o abaixamento da temperatura e iminência de chuva, ela não venha a ser necessária”.

“Temos conversado amiúde com os nossos colegas espanhóis no sentido de não haver só as bombagens comuns da barragem, porque a turbinagem é feita a partir de um descarregador fundo e no fundo de uma albufeira há muito menos oxigénio do que à superfície, mas para que possa haver algumas descargas superficiais”, declarou o ministro.