LifeStyle

Suécia abre museu com as comidas mais nojentas do mundo | Fotogaleria

Neste projeto vai ser possível provar, cheirar e tocar nas comidas mais nojentas do mundo

Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum
Disgusting Food Museum

Um prato de morcegos ou pénis de boi cru? O Museu da Comida Nojenta vai abrir dentro de três meses na Suécia e vai poder ver os pratos mais estranhos de sempre. O projeto é liderado por Samuel West, um psicólogo norte-americano responsável pelo Museu dos Falhanços em Helsinborg, na Suécia.

Em exposição vão estar as mais estranhas confeções culinárias tais como pénis de boi cru, porquinhos-da-Índia assados, tubarão poder, queijo com vermos, morcegos ou até um queido de cabra de sardenha que é conhecido como “viagra da Sardenha” e que, segundo a publicação feita na conta oficial de twitter do museu “sabe a gasolina e amoníaco misturado com cera”.

“O objetivo do museu é ser divertido, interessante e interativo" , disse o psicólogo ao jornal sueco The Local. E para os mais corajosos é ainda possível “provar, cheirar e, em alguns casos, tocar na comida", acrescenta Samuel West.

Um dos principais problemas da organização foi conter o cheiro de alguns dos alimentos em exposição, que tem em exposição, por exemplo, “o queijo mais mal cheiros do mundo, provado por uma universidade britânica” ou o arenque sueco fermentado – um dos casos mais desafiantes –, que levou meses a resolver.

“Testamos e testamos e fomos praticamente expulsos do nosso escritório por causa do cheiro”, explica West, acrescentando que acredita ter o problema “resolvido”, mas sem dar garantias. “É uma daquelas coisas que me mantém acordado à noite”, reforça.

Segundo o responsável pelo projeto, é preciso “questionar a nossa noção de nojento se vamos começar a considerar fontes de proteína mais amigas do ambiente, como insetos”. Este novo projeto, depois do Museu de Falhanços que já se estendeu a Toronto, Los Angeles e está em planeamento para Xangai, West acredita que “são ambos divertidos, mas o museu da comida diz mais às pessoas e muito mais interativo”. “Podem apenas cheirar o falhanço até um certo limite. Mas se tu tens um tubarão podre à tua frente tua desejas que nunca tivesses nascido”, reforça.

A ideia de criar este museu partiu de uma lista que o psicólogo norte-americano desenvolveu onde incluía os museus mais estranhos do mundo. “E eu penso que o único museu que eu quereria visitar era o Museu da Comida Nojenta”.