Desporto

Clássico. Benfica paga 765 euros por música da tourada

Sérgio Conceição terá de pagar 287 euros por não ter utilizado a braçadeira de treinador durante grande parte do jogo

O Conselho de Disciplina (CD) da Liga multou o Benfica em 765 euros devido à difusão, através do sistema sonoro, da música geralmente associada às touradas após o final do clássico frente ao FC Porto, quando os jogadores dos azuis-e-brancos deixavam o relvado em direção aos balneários.

"Violação dos deveres de correção a urbanidade", justificou o mapa de castigos do organismo, completando: "Depois do jogo ter terminado e quando as equipas regressavam aos balneários, foi difundida através da aparelhagem sonora do estádio uma música do género Paso Doble (Estilo musical utilizado nas corridas de touros)."

Do mesmo encontro saiu também uma multa de 287 euros para Sérgio Conceição. Neste caso, o técnico dos dragões foi punido por não ter utilizado a braçadeira de treinador até ao minuto 39 e depois em toda a segunda parte. O delegado da Liga, todavia, não fez qualquer referência à "mensagem" transmitida por Sérgio Conceição enquanto abandonava o relvado da Luz, apontando para o símbolo do FC Porto que levava ao peito e dizendo aos adeptos do Benfica "Depois falamos".

A partida entre o Braga e o Rio Ave, que terminou com um empate (1-1), também foi pródiga em acontecimentos passíveis de sanções do CD da Liga. Abel Ferreira, técnico dos bracarenses, foi expulso por palavras dirigidas ao árbitro Tiago Martins e agora tornadas públicas. "És muito fraco", "É uma m... de critério" e "És uma vergonha" foram algumas das frases ditas pelo antigo lateral-direito e que lhe valeram uma multa de 765 euros. Wilson Eduardo, avançado do Braga, foi igualmente expulso pelo mesmo motivo, sendo castigado com dois jogos de suspensão e uma multa de 1148 euros. "És uma vergonha, ladrão de m..., já o ano passado nos roubaste em Vila do Conde", terá dito o jogador ao juiz da partida.

Do lado do Rio Ave, o treinador José Gomes, também expulso durante a partida, foi condenado a pagar 383 euros por se virar para o árbitro assistente a fazer gestos e dizer "vai ver o vídeoárbitro", enquanto o diretor-desportivo André Vilas Boas terá de cumprir dez dias de suspensão e pagar uma multa de 383 euros por ter gritado para o árbitro "Marca mas é as faltas, c..., és uma vergonha".