Sociedade

Telemóvel de Luís Grilo incrimina viúva

Rosa Grilo manteve o telemóvel do marido em casa dois dias depois de ele ter desaparecido

O telemóvel de Luís Grilo foi crucial na identificação de Rosa Grilo como principal suspeita da sua morte. A Polícia Judiciária (PJ) descobriu, na investigação feita, que o telemóvel do triatleta estava em casas já depois de a mulher ter alertado para o seu desaparecimento.

Com a colaboração da operadora de rede móvel, a PJ identificou que a célula da antena ativada pelo telemóvel depois de 16 de julho, data em que Rosa Grilo denunciou o desaparecimento, era próxima de casa do casal, avança o Correio da Manhã.

Só mais tarde, no dia 18, o aparelho terá sido colocado à beira da estrada, perto de Casais da Marmeleira. Foi nessa altura que o telemóvel terá acionado outra antena.

Esta prova terá dado à PJ a certeza de que Rosa Grilo estaria a mentir ao simular uma sequência de eventos. Depois da detenção, a PJ acabou por concluir que a mulher e o amante tinham matado o triatleta em casa, no quarto, onde estava presente sangue da vítima. Também os vestígios com ADN encontrados no saco que envolvia a cabeça de Luís Grilo foram identificados como sendo da mulher.