Desporto

Taça de Portugal. Portimonense cai na Cova da Piedade

Equipa da II Liga é a primeira tomba-gigante da terceira eliminatória. Belenenses, SAD sofreu para passar em Amora (3-4 após prolongamento), enquanto o Vitória de Guimarães trucidou o Valenciano: 0-7

Está consumada a primeira grande surpresa nesta terceira eliminatória da Taça de Portugal: o Cova da Piedade, da II Liga, eliminou o primodivisionário Portimonense, vencendo em casa por 2-1. Hugo Firmino, aos nove minutos, e Miguel Rosa, aos 33', fizeram os golos que valeram o triunfo à equipa da Margem Sul do Tejo - Dener reduziu para os homens de Portimão aos 62', mas de nada serviu.

No fim do encontro, António Folha não poupou nas críticas aos jogadores do conjunto algarvio. "Aconteceu Taça. Por muito que se explique este fenómeno aos jogadores, acontece porque eles querem e eles quiseram. Quiseram que acontecesse Taça, quando não temos o mesmo rigor que temos noutros jogos de outra dimensão acontece sempre Taça, e foi isso que aconteceu. Ao intervalo disse claramente que eles tinham de dar pelo menos uma imagem diferente às pessoas que se deslocam do Portimonense, à instituição que faz muitos sacrifícios para cumprir com as suas obrigações e que tinha de dar uma imagem diferente, ajustando aqui e ali, dentro do jogo e a mexer nas peças, para que de facto as coisas melhorassem, mas de facto tiveram uma atitude que não pode acontecer", disparou o treinador do Portimonense, completando: "O Portimonense na primeira parte não existiu. Não pode acontecer essa atitude e essa falta de querer e ambição que se põe nos jogos de grau de dificuldade mais elevado, não pode acontecer. É inadmissível, ponto. A questão é só mentalidade. Nós não podemos ser homens só de vez em quando."

Ali ao lado, na Amora, ia acontecendo cenário semelhante: aos 24', o Belenenses, SAD perdia por 2-0 frente ao conjunto que compete no Campeonato de Portugal - Tiago Duque (que está no Amora por empréstimo... do Belenenses) fez o primeiro aos 15', com Rúben Fidalgo a aumentar aos 24'. Logo a abrir a segunda parte, o conjunto do Jamor desperdiçou uma grande penalidade e tudo parecia correr mal, mas a sorte começou a virar aos 69': em novo penálti, o brasileiro Eduardo Henrique reduziu, com o estreante Dramé a empatar aos 74'. Diogo Tavares voltou a pôr o Amora em vantagem aos 83', de penálti, mas um golo de Licá em cima do apito final levou a partida para o prolongamento. Aí, Keita fez o único golo, fechando o 3-4 para os azuis da I Liga, que ainda sofreram bastante até ao fim.

Muito mais tranquila foi a deslocação do Vitória de Guimarães ao reduto do Valenciano: os vitorianos venceram a equipa dos distritais de Viana do Castelo por claros 7-0. "É a diferença entre I Liga e Distrital", sublinhou o técnico Pedro Lomba no fim do encontro, com Luís Castro a destacar a "seriedade" da sua equipa. Davidson abriu o marcador aos 20', Tyler Boyd aumentou aos 41'. Foi no segundo tempo que a goleada se precipitou: Alexandre Guedes, herói da última final da Taça pelo Aves (marcou os dois golos da vitória por 2-1 sobre o Sporting) fez o terceiro aos 53', Mattheus Oliveira aumentou para quatro aos 66' e Estupiñán bisou (72' e 77'). Aos 81', João Afonso selou a goleada dos vimaranenses.

Em Espinho, outra surpresa. A equipa da casa, atualmente a competir no Campeonato de Portugal, superou o Académico de Viseu, da II Liga: depois do 3-3 no tempo regulamentar, os homens da casa venceram por 11-10 no desempate por grandes penalidades.