Sociedade

Ministra da Justiça pede “calma” e "paciência" para se perceber o que aconteceu no TIC do Porto

“Relativamente àquele tribunal, todas as condições de segurança estavam criadas.”

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, disse hoje que a fuga dos três arguidos do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto, que aconteceu na quinta-feira passada, não se deveu à falta de segurança das instalações em questão. "Relativamente àquele tribunal, todas as condições de segurança estavam criadas. Havia segurança passiva suficiente e segurança ativa, e isso funcionou", assegurou a ministra.

A governante disse ainda aos jornalistas que o caso está “em investigação”, para se apurar o que aconteceu. "Vamos aguardar os resultados. Não nos precipitemos com antecipações de cenários", disse.

A ministra pediu que se tivesse “calma” e “paciência” nesta situação: "Não vamos especular sobre aquilo que não sabemos. Vamos aguardar o resultado da averiguação que está a ser feita e vamos perceber, em concreto, o que é que falhou, se é que alguma coisa falhou, para aquelas três pessoas terem fugido", declarou Francisca Van Dunem.

A governante falava em Paredes, no distrito do Porto, à margem da cerimónia de um protocolo com a autarquia local para a remodelação e ampliação do tribunal local.

Recorde-se que os três homens tinham sido detidos por assaltos violentos a idosos no Grande Porto, e a fuga terá sido planeada ainda nas instalações da PSP, enquanto aguardavam a ida ao Tribunal de Instrução Criminal para o primeiro interrogatório, onde ficariam a conhecer as medidas de coação que lhes seriam aplicadas.