Internacional

Angelina Jolie é acusada pela Venezuela de ser espia de Donald Trump

“Pensam que somos uma colónia porque enviaram uma atriz falsa à televisão para nos tentar enganar. Não se deixem manipular"

Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, acusou Angelina Jolie de trabalhar para a CIA e de ser uma espia de Donald Trump, depois de a atriz visitar o Peru para se reunir com os refugiados venezuelanos.

“São agentes do imperialismo, da CIA, o Pentágono e todas essas entidades que o imperialismo tem para colocar uma lágrima que corre pelos rios para que o mundo acredite que tocaram no coração de uma estrela de Hollywood”, disse Cabello, durante o seu programa de televisão.

Cabello disse ainda que Agelina Jolie não se preocupa com “os 43 milhões de pessoas pobres que vivem nos EUA” e com “as crianças que estão a ser fechadas em celas” na fronteira entre o México e os EUA, devido à política de ‘tolerância zero’.

Mas as críticas não ficaram por aqui.

“Uma atriz que ama os venezuelanos e é amada por eles; se lhe perguntas quantos habitantes tem ou não tem o país ela não faz a menor ideia. Onde fica a Venezuela? Estou certo de que nem sequer sabes”, afirmou.

O governador terminou o seu discurso afirmando que a visita da atriz à Venezuela não passou de uma estratégia.

“Pensam que somos uma colónia porque enviaram uma atriz falsa à televisão para nos tentar enganar. Não se deixem manipular. Felizmente, somos muito conscientes”, rematou.