Sociedade

Aberto inquérito devido a praxes abusivas em Coimbra

Alunas foram agredidas com gelo e obrigadas a beber


Vários alunos escreveram cartas a denunciar praxes abusivas na Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), que chegaram à direção do instituto. Como consequência, vai ser aberto um inquérito aos alunos da ESEC.

De acordo com o Jornal de Notícias, nas cartas alunas denunciam que foram agredidas com gelo e obrigadas a beber, enquanto um dos elementos do grupo as praxava nu.

O JN teve acesso a um despacho onde são reproduzidos excertos de cartas: uma carta era de seis raparigas do primeiro ano e outra era apenas de uma só aluna.

Um dos acontecimentos que é referido nessas cartas é a ‘Missa do Caloiro’, que teve lugar numa discoteca na cidade de Coimbra.

"Fomos mandadas estar de quatro, de olhos no chão, depois mandaram-nos estar de perninhas à chinês. O (...) ficou nu (todo nu) durante algum tempo e sempre com conversas menos próprias. Chegaram também a atirar gelo para cima das caloiras e acabaram por acertar numa rapariga seriamente", pode ler-se.

"Isto não é integração, mas sim humilhação e algo que nós não queremos ter na nossa vida académica (...) Temos consciência que isto não é uma situação de Meco (AINDA!) e pedimos a vossa ajuda [da associação de estudantes] no sentido de mudança e de organização da integração", concluiu uma das alunas.

A ESEC garante que todas as praxes foram realizadas fora do campus, porém visto que envolveu estudantes da instituição "que foram colocados nas situações descritas em função da sua ligação à ESEC", o caso vai ser investigado.

O Bloco de Esquerda já questionou o Ministério do Ensino Superior sobre este caso.

Os comentários estão desactivados.