Sociedade

Rosa Grilo: "Foi lamentável que o meu filho tivesse que ouvir os inspetores a gritarem comigo"

Rosa Grilo voltou a escrever uma carta a partir da prisão

Rosa Grilo, suspeito do homicídio do triatleta Luís Miguel Grilo, voltou a escrever mais uma carta a partir da cadeia de Tires, desta vez o destinatário é o antigo inspetor da PJ Francisco Moita Flores.

A viúva utilizou a carta para criticar a Polícia Judiciária e recorreu ao filho.

“O que pretendia saber era: num mandado de captura perfeitamente legal com as tais boas práticas e preocupações das autoridades, se é recorrente insultarem os filhos ou insultaram os pais à frente dos filhos", escreveu Rosa Grilo, de acordo com o Correio da Manhã, que cita a TV Guia.

Rosa Grilo, suspeita da autoria do homicídio do marido, garante que os inspetores da PJ a insultaram no dia da detenção: "Foi lamentável que o meu filho tivesse que ouvir os inspetores a gritarem comigo, a insultarem-me, com apenas conversas (…) que em nada podem contribuir para a consolidação do processo-crime", acrescentou.

"A minha preocupação não é outra que não o meu filho, assim se vê que não me conhece de lado nenhum", referiu, dirigindo-se a Moita Flores.

Recorde-se que Rosa Grilo tem escrito várias cartas a partir da cadeira de Tires, onde está presa e garante que é inocente.