Sociedade

Portuguesas ligadas ao Daesh pedem ao governo para as ajudar a regressar

Vânia Cherif e Catarina Almeida acabaram ligadas ao grupo radical islâmico e agora querem regressar ao seu país natal

Duas portuguesas que estão no campo das Nações Unidas, na Síria, pedem ajuda ao governo português para voltar para Portugal depois de terem sido capturadas pelas forças curdas pertencentes a um grupo do Daesh.

Vânia Cherif, de 24 anos, e Catarina Almeida, de 47, contaram a sua história numa reportagem da SIC. Enquanto Vânia viajou há três anos com o marido, um jihadista do Daesh, para a Síria pensando que se tratavam de umas férias na Turquia, Catarina foi atrás do filho quando este decidiu combater pelo grupo radical islâmico.

A filha de Vânia, de cinco anos, vive com ela no campo de refugiados e enfrenta problemas de saúde. As duas mulheres esperam que o governo português as repatrie, a única solução para abandonarem o campo de refugiados onde atualmente vivem, explica o repórter da SIC.

A guerra da Síria, que começou em 2011, já matou mais de 360 mil pessoas deixando milhões sem casa.