Economia

Estivadores dispostos a negociar

 Os encontros deverão ocorrer nos dias 23, 29 e 30 de novembro. 

O SEAL - Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística propôs ontem o agendamento de novas reuniões com os operadores portuários para tentar ultrapassar o conflito laboral no Porto de Setúbal, que está praticamente parado devido à paralisação dos estivadores eventuais. Os encontros deverão ocorrer nos dias 23, 29 e 30 de novembro. 

O SEAL propõe que nas reuniões seja discutido um “Contrato Coletivo de Trabalho (CCT)” e, ao mesmo tempo, que se tente “encontrar soluções para os diversos problemas que têm vindo a marcar a realidade laboral portuária” decorram, como habitualmente, nas instalações da referida associação.

O Porto de Setúbal está a trabalhar de forma muito condicionada e a provocar atrasos significativos na movimentação de mercadorias e nas exportações portuguesas devido à paralisação dos trabalhadores eventuais, contratados ao turno, que representam cerca de 90% do total de trabalhadores portuários em Setúbal. Esta  paralisação do Porto de Setúbal está a afetar as principais empresas exportadoras da região, como é o caso da Autoeuropa, que na semana passada já registava um atraso na entrega de mais de oito mil veículos produzidos na fábrica de Palmela, não obstante estar já a recorrer, como alternativa, ao Porto de Leixões e aos portos espanhóis de Vigo e Santander.