Sociedade

Submarino com controlo remoto vai ajudar nas buscas em Borba

As dimensões do espaço colocam dúvidas sobre o sucesso da operação uma vez que o submarino costuma ser utilizado em espaços maiores

As buscas em Borba prosseguem esta quinta-feira pelo terceiro dia e, desta vez, contam com a ajuda de um veículo submarino com controlo remoto da Marinha. É a primeira vez que este aparelho irá atuar num espaço tão pequeno.

O comandante Fernando Fonseca, porta-voz da Marinha, explicou à Lusa que “a Marinha vai enviar um equipa com seis elementos – dois oficiais, um sargento e três praças mergulhadores – e equipamento. O equipamento será um veículo submarino com controlo remoto e algum equipamento de mergulho”.

O aparelho é normalmente utilizado no mar, rios e em algumas albufeiras com o objetivo de encontrar minas que estejam fundeadas. Devido às condições da pedreira, principalmente ao seu espaço confinado, o comandante tem algumas dúvidas sobre o sucesso da operação. O submarino precisa de “algum espaço para poder ganhar as referências no seu sistema de navegação”.

 "O facto de ser uma zona tão confinada poderá não ser possível o equipamento estabilizar. Se tiverem sucesso em fazer o alinhamento do sistema de navegação, vão tentar que o sonar, que faz a busca pela projeção do som dentro de água, possa detetar as viaturas e passar a informação", reforçou.

A equipa de militares enviada pela Marinha deverá chegar a Borba pelas 7h30, onde vão participar num briefing antes de se juntarem às operações de resgate.

Na passada segunda-feira, um deslizamento de terras provocou o colapso da estrada 255, tendo um arrastado uma grande quantidade de rochas para o interior da pedreira. Foram também arrastados uma retroescavadora e dois veículos ligeiros. Segundo a Proteção Civil há dois mortos e três desaparecidos.