Internacional

Polícia tenta travar coletes amarelos com gás lacrimogéneo em Paris

A situação entre a polícia e os manifestantes intensificou-se quando centenas de coletes amarelos desceram os Campos Elísios para chegar à residência oficial do Presidente Emmanuel Macron

O movimento coletes amarelos - que protesta contra o aumento dos combustíveis em França - está hoje concentrado em Paris. A situação entre a polícia e os manifestantes intensificou-se quando centenas de coletes amarelos não respeitaram as zonas interditas e desceram os Campos Elísios para chegar à residência oficial do Presidente Emmanuel Macron.

Os confrontos começaram a surgir quando alguns membros do movimento tentaram fugir pelas laterais das barricadas policiais. E a polícia acabou por lançar gás lacrimogéneo e um camião de água para tentar travar os manifestantes. 

O objetivo dos manifestantes é chegar ao Palácio do Eliseu, onde vive Macron, mas todas as entradas possíveis estão barricadas com redes e polícias de choque. Para travar os manifestantes, a polícia atirou várias granadas de gás lacrimogéneo, com o objetivo de tornar o ar à volta da residência oficial do Presidente irrespirável. Mas grande parte dos manifestantes têm máscaras anti gás lacrimogéneo.

Os manifestantes estão dispersos por várias ruas que dão acesso ao Palácio do Eliseu, gritando "Macron demissão" e cantando também o hino nacional. 

O Ministério do Interior tentou canalizar os manifestantes para o Champ de Mars, perto da Torre Eiffel, mas o movimento não acatou as ordens.

"Sabíamos que os Campos Elísios estavam interditos, mas eles também votam leis sem nos pedir autorização. Porque é que havíamos de aceitar o que eles nos dizem? Já parámos as estradas fora de Paris, agora vamos bloquear o Estado", disse Bárbara, uma manifestante vinda de Ruão, em declarações à Lusa.