Internacional

Corpo de missionário morto por tribo deverá manter-se na ilha de Sentinela

Encontro entre autoridades indianas e os habitantes da ilha pode ser perigoso

O corpo do missionário norte-americano, John Allen Chau, que morreu ao tentar entrar na ilha de Sentinela, deverá ficar no mesmo local, uma vez que existe um grande perigo num possível encontro entre autoridades indianas e habitantes locais, refere o grupo Sobrevivência Internacional à BBC.

Estes especialistas admitiram que qualquer tentativa de recuperar o corpo pode ser "extremamente perigosa”. “O risco de uma epidemia mortal de gripe, sarampo ou outra doença externa é real e pode aumentar com qualquer tipo de contacto. Qualquer tentativa semelhante no passado culminou com os habitantes de Sentinela a tentarem defender o seu território", diz o diretor do grupo de Sobrevivência Internacional, Stephen Corry, que considera que o corpo de John deve ser "deixado em paz".

Recorde-se que o norte-americano foi morto na semana passada, depois de ter pago a um grupo de pescadores para que o levassem até perto da ilha. Conseguiu chegar ao território sozinho, com a ajuda de um caiaque, mas rapidamente foi atacado com flechas que o mataram.

O corpo, dizem os especialistas e as autoridades indianas, deve ter sido enterrado na praia.