Desporto

Maradona: "Espero que a CONMEBOL dê o título de campeão ao Boca Juniors"

O presidente da CONMEBOL, Alejandro Domínguez, está neste momento reunido com os presidentes do River Plate e do Boca Juniors, Rodolfo Donofrio e Daniel Angelici, para acordarem uma nova data para a segunda mão da final da Taça Libertadores.

Maradona Instagram
Maradona Instagram

Diego Maradona é mais uma das figuras do mundo do futebol a demonstrar o seu apoio ao Boca Juniors, que foi alvo de um ataque por parte dos adeptos do River Plate, quando se deslocava para o Estádio Monumental, para o encontro da 2.ª mão da final da Taça Libertadores.

Apesar de o argentino defender a ideia de que não se ganham jogos na secretaria, nota que "há um regulamento que tem de ser cumprido". Através das redes sociais, o antigo craque não tem dúvidas que a CONMEBOL tem que declarar o Boca Juniors campeão. 

"Espero que a CONMEBOL atue de forma séria e dê o título de campeão ao Boca Juniors. Mais do que o amor que tenho pelo clube, há um regulamento que tem de ser cumprido", disse.

"As sanções são claras, em 2015 também nos tiraram os pontos. Gosto de ganhar no campo, mas quando não se respeitam as normas tem de haver uma sanção. E isso significa dar a vitória ao Boca", acrescentou.

Este foi, de resto, o argumento utilizado por Scolari, no domingo, quando defendeu que o Boca Juniors devia ser anunciado como o campeão da Libertadores2018. 

O técnico brasileiro recordou o mesmo episódio e lembrou que "há um precedente" pelo que, na sua perspetiva, a CONMEBOL não tem outra solução se não anunciar o Boca campeão.

Aliás, o jogador do Boca, Carlos Tévez foi o primeiro a mencionar este episódio depois do ataque ao autocarro da equipa.

Em 2015, o Boca Juniors foi afastado da competição, depois de ter visto os seus apoiantes a atirar gás pimenta na direção de jogadores do River no intervalo da partida entre as equipas, referente aos oitavos de final da Libertadores. 

Recorde-se que o presidente da CONMEBOL, Alejandro Domínguez, está neste momento reunido com os presidentes do River Plate e do Boca Juniors, Rodolfo Donofrio e Daniel Angelici, respetivamente, para acordarem uma nova data para a segunda mão da final da Copa Libertadores.