Economia

Dois em cada dez portugueses desistem de comprar casa

Apenas 31,9% das pessoas aponta o preço como principal causa de desistência

DR  

Numa altura em que os preços das casas estão cada vez mais altos, o preço não é a principal razão que leva os portugueses a desistir de comprar casa. 

Segundo os resultados do estudo da Century 21, "I Observatório do Mercado de Habitação em Portugal", 19% das pessoas que tinham objetivo de comprar casa acabaram por desistir. Para 41,6% o facto de não encontrarem a casa certa foi o principal motivo. No entanto, 31,9% das pessoas aponta o preço como causa e 9% diz ter concluído que este não era o melhor momento para comprar. 

O estudo procurou também saber quais os aspetos que os compradores teriam dispostos a dispensar para a compra ou arrendamento de uma casa e a piscina é o mais apontado, cerca de 38,4% prescindia deste extra. 26,9% dos portugueses afirma estar disposto a comprar casa com uma área menor à pretendida, 23,6% renunciaria a uma casa nova e 23,2% abdicaria da zona onde queria vender. 

No entanto, há elementos dos quais os compradores não prescindiriam como o número de casas de banho, de quartos e a arrumação. 10,7% diz mesmo que não renunciaria a nada.

O estudo mostra ainda qual a habitação mais procurada: 61,2% afirma procurar um apartamento num prédio, 60,2% quer um apartamento em segunda mão e sem necessidade de remodelações, 40,9% quer três quartos, 49,5% quer duas casas de banho, 74,1% quer arrecadação, 73,1% procura garagem. Além disto, os portugueses procuram "uma área entre 91 e 120 m2, (24,1%) localizada em zonas periféricas do centro (43%) ou mesmo nas áreas centrais da cidade (42,2%). O preço médio que os portugueses estão dispostos a pagar é inferior a 138 623 €, financiados por um crédito à habitação que não supere os 500€ mensais", pode ler-se no resultado do estudo. 

"Sabemos agora que a maioria dos portugueses está disposta a procurar áreas mais reduzidas, mas que dificilmente abdica de quartos, casas de banho e arrumos. Esta constatação incentiva a equacionar novos conceitos de construção, em open space por exemplo, que permitam estruturar o número de quartos, de acordo com as necessidades das famílias, possibilitando assim maior flexibilidade a quem compra para adaptar a área do imóvel ao número de divisões que necessita. Outra solução que também deve ser considerada é o recurso a técnicas de construção mais inovadoras e sustentáveis, que permitem prazos menores de edificação e consequente redução de custos de produção, maior flexibilidade de customização no final de obra, bem como a adoção de sistemas que minimizem o impacto ambiental da habitação", afirma Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal. "Naturalmente, é fundamental que a legislação acompanhe estas novas tendências habitacionais, tal como está a acontecer noutros países da Europa, onde estão a ser estudadas e implementadas novas medidas para tornar a habitação mais flexível e adequada às necessidades dos consumidores ", diz.