Sociedade

Cancelamento de visitas dá origem a motim no Estabelecimento Prisional de Lisboa, diz SICGP

Plenário de guardas prisionais marcado para a mesma hora das visitas terá levado ao cancelamento das mesmas e, de acordo com Júlio Rebelo, os reclusos não foram avisados. 

 

José Luís Batalha
José Luís Batalha
José Luís Batalha
José Luís Batalha
José Luís Batalha
José Luís Batalha
José Luís Batalha
José Luís Batalha

Vários detidos pegaram fogo à Ala B do Estabelecimento Prisional de Lisboa, confirmou ao SOL fonte do Sindicato Independente do Corpo da Guarda Prisional, Júlio Rebelo. 

No local encontram-se detidos cerca de 190 reclusos, que atearam fogo a caixotes do lixo e atiraram vários materiais dos andares superiores do estabelecimento. 

A mesma fonte disse ao SOL que o Estabelecimento Prisional de Lisboa está a ponderar chamar o grupo de Intervenção e Serviços Prisionais e que tiveram de chamar guardas que se encontravam de folga para lidar com a situação. No entanto, de acordo com o Correio da Manhã, o GISP já se encontra no local. 

O Correio da Manhã escreve que o motim decorre na Ala B do Estabelecimento Prisional, mas Júlio Rebelo garantiu ao SOL que o motim "é geral". 

As motivações por detrás do motim estarão, continua Rebelo, relacionadas com o cancelamento das visitas. "Os reclusos deveriam ter visitas e foi marcado um plenário de guardas prisionais para a mesma hora", explicou. "Os reclusos não devem ter sido avisados", acrescentou a mesma fonte. 

Recorde-se que decorre uma greve dos guardas prisionais desde o dia 1 de dezembro, e termina hoje, terça-feira.

A CMTV tem estado a divulgar imagens do Estabelecimento Prisional de Lisboa: