Sociedade

"Não consigo descobrir muitas diferenças entre a gente da península, somos a mesma coisa”

António Lobo Antunes lamenta que Portugal e Espanha não sejam o mesmo país

O escritor António Lobo Antunes, numa entrevista ao jornal espanhol La Vanguardia, lamentou que portugueses e espanhóis não sejam cidadãos do mesmo país.

"Não consigo descobrir muitas diferenças entre a gente da península, somos a mesma coisa, temos a mesma maneira de reagir, embora se coma melhor na Catalunha do que em Portugal. É uma pena que não sejamos o mesmo país, todos os ibéricos. Filipe II de Espanha e I de Portugal tinha todo o direito de ser nosso rei, era neto do monarca legítimo", disse o escritor, acrescentando ainda que o "grande amor" da sua infância foi uma empregada galega que trabalhou para os seus pais. 

Na entrevista, o português revelou também que o livro que mais o comove "ainda é um grande poeta do século de ouro" da Península Ibérica, Francisco Gómez de Quevedo: "O meu pai lia-nos em voz alta aos seis filhos, gostava muito de poesia", lembrou o escritor.

Espanhóis e portugueses à parte, a publicação espanhola perguntou ainda ao escritor se este continua a viver em Lisboa, ao que Lobo Antunes respondeu: “Sim, mas Lisboa está horrível agora".

"É um inferno desde que a Madonna e tantos famosos vieram viver para lá. A vida é barata, eu almoço sempre em restaurantes de bairro por seis ou sete euros. Vivo na periferia, porque sou uma espécie de emblema do país e, no centro, as pessoas querem tirar fotos comigo. Só estou tranquilo no meu bairro, onde as pessoas me conhecem e me protegem", afirmou o escritor.