Economia

Rendimento da atividade agrícola abranda em 2018

Depois de ter crescido 5,7% no ano passado, "a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura (CEA) para 2018, o Rendimento da atividade agrícola, por unidade de trabalho ano (UTA), deverá aumentar 0,6% em termos reais", pode ler-se no relatório do INE

DR  

O ano agrícola 2017/2018 ficou marcado por valores de precipitação e de temperatura acima do normal, mas as perspetivas de rendimento da atividade agrícola devem aumentar 0,6%, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE). 

Depois de ter crescido 5,7% no ano passado, "a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura (CEA) para 2018, o Rendimento da atividade agrícola, por unidade de trabalho ano (UTA), deverá aumentar 0,6% em termos reais", pode ler-se no relatório. 

Este valor é reflexo do aumento do Valor Acrescentado Bruto (VAB) de 3,5% e do decréscimo de 2,9% registado noutros subsídios à produção. 

"Após um outono muito quente e seco, seguiu-se um inverno, igualmente seco, mas extremamente frio. A precipitação elevada iniciou-se na primavera, a par de temperaturas muito baixas. O Verão apresentou temperatura e precipitação normais, à exceção do mês de agosto, que foi o segundo mais quente dos últimos 88 anos", explica o INE.