Economia

Fim dos carros a gasóleo? Bruxelas quer e números apontam para quedas acentuadas

Os portugueses têm estado a fugir dos carros a gasóleo. 

De acordo com a Associação Automóvel de Portugal (ACAP), as vendas destes automóveis caíram, até novembro, 10,8%, em comparação com igual período do ano passado.

Dos veículos vendidos em Portugal, o aumento mais expressivo aconteceu nos carros elétricos: 3778 unidades vendidas.

Fim dos carros a Diesel? Bruxelas diz que sim

Em abril deste ano, os alertas já tinham aparecido. A ameaça de restrições à circulação de carros a gasóleo em muitas das grandes cidades da Europa já se estava a refletir nas vendas dos veículos a diesel em Portugal. Ao contrário do que acontecia em anos anteriores, em 2018 a comercialização deste tipo de veículos tem vindo a perder peso. Os números falavam por si, já nesta altura: nos primeiros quatro meses do ano, as vendas caíram 7,7% face a igual período do ano anterior. Agora, os dados da Associação do Comércio Automóvel de Portugal revelam uma queda ainda mais acentuada até novembro.

A opinião é unânime junto de vários especialistas: a tendência é para continuar a agravar-se. Um cenário que é refletido no relatório Cepsa Energy Outlook 2030, segundo o qual em 2030 apenas 15% dos carros novos em 2030 serão a diesel. Nesse ano, os carros a gasolina deverão representar entre 30% e 35% do mercado, ainda assim, abaixo dos 40,3% verificados entre janeiro e abril deste ano. A ganhar terreno estarão os híbridos (35%) e os elétricos (15%).

Tecnologia do passado? A verdade é que as recentes declarações da comissária europeia da Indústria também não são animadoras para este segmento. Para Elzbieta Bienkowska, “os carros a gasóleo estão acabados” e consistem numa “tecnologia do passado”. E dá uma explicação: a fraude de 11 milhões de veículos de carros a gasóleo do grupo Volkswagen foi o ponto de viragem na perceção de Bruxelas em relação a estas motorizações.

Enquanto Bruxelas se debate com formas de combater os carros a diesel, já há cidades europeias que deram o pontapé de saída nesta matéria. Hamburgo foi a primeira cidade a proibir parcialmente o tráfego dos veículos a diesel mais poluentes. A medida entrou em vigor a 31 de maio e quem violar esta norma arrisca-se ao pagamento de uma multa no valor de 75 euros.

Copenhaga, na Dinamarca, pretende proibir a circulação de carros a diesel partir de 2019. Madrid prevê restringir o acesso dos carros a boa parte de sua área central até 2020. Já Paris quer banir todos os veículos poluentes até 2030 e reservar algumas ruas apenas para a circulação de automóveis elétricos. Também Londres alinhou pelo mesmo diapasão, primeiro ao cobrar uma taxa de 30 libras para entrar no centro da cidade, a partir de abril de 2019, medida que depois quer alargar ao resto da cidade.