Internacional

Governadora e senador mexicanos morrem em desastre de helicóptero

A queda da aeronave causou a morte da governadora mexicana de Puebla e do seu marido, juntamente com outras três pessoas

DR  

A governadora do Estado mexicano de Puebla, Martha Érika Alonso, de 45 anos, e o seu marido, o senador Rafael Moreno Valle, de 50 anos, morreram esta segunda-feira, na véspera de Natal, num acidente de helicóptero. O acidente ocorreu quando viajavam da cidade de Puebla para a capital do país. O presidente do México, Andrés Lopez Obrador, foi o primeiro a confirmar as mortes, pouco depois das 17h30 (hora local). O presidente anunciou a abertura de um inquérito e ordenou "a todo o governo que atue de imediato". O governo de Puebla exigiu uma investigação "transparente e imparcial".

Segundo o secretário de Segurança Pública, Alfonso Durazo, estariam no helicóptero, juntamente com o casal, os dois pilotos e um quinta pessoa ainda não identificada. Durazo afirmou que "quando o helicóptero se encontrava em voo, a cerca de 5 km do aeroporto, sofreu uma aparente falha, ainda desconhecida, que fez com que caísse." O acidente registou-se às 15h00 locais no munícipio de Coronango. Os restos mortais dos tripulantes foram encontrados completamente calcinados. As causas do acidente ainda são desconhecidas, mas o secretário de Segurança Pública declarou que "não foram encontradas substâncias incendiárias ou explosivas depois da análise dos restos da aeronave". A análise foi conduzida pelos peritos forenses da marinha.

Martha Alonso e o marido pertenciam ao partido PAN (partido de ação nacional), um partido conservador e um dos maiores do país. Martha era governadora de Puebla, um estado com mais de seis milhões de habitantes, tendo assumido o cargo apenas dez dias antes do acidente. As eleições em que concorreu, liderando uma coligação do PAN, PRD (partido da revolução democrática) e Movimento Cidadão, foi impuganada pelo segundo partido mais votado, o Morena (movimento regeneração nacional), tendo a vitória de Martha nas urnas ficado em suspenso durante meses. A vitória foi validada pelo Tribunal Eleitoral, que abriu caminho à tomada de posse da governadora eleita, que se tornou na primeira mulher governadora de Puebla.

Já o seu marido, Rafael Valle, era líder da bancada senatorial do PAN e uma das figuras mais destacadas do partido. Rafael tinha sido deputado local e federal do PRI (partido revolucionário institucional), partido que foi uma força hegemónica no país até 1989. Chegou ao senado com o PAN e foi governador do estado de Puebla entre 2011 e 2017. 

O governo de Puebla terá agora de nomear um governador interino e convocar eleições num prazo entre três e cinco meses. O ex-presidente mexicano, Vicente Fox, também do PAN, escreveu no Twitter: "Exigimos um esclarecimento! É díficil aceitar este facto após uma dura batalha democrática por Puebla".