Desporto

Itália. O paraíso para os veteranos na arte de faturar

Na última ronda da Serie A, o Juventus-Sampdoria teve três golos: dois de Cristiano Ronaldo, à beira de completar 34 primaveras, e um de Quagliarella, prestes a celebrar 36. Metade do top-10 de artilheiros do campeonato italiano é constituído por atletas com mais de 30 anos - e neste século foram já oito os trintões a conquistar o troféu de melhor marcador.

 

Com exatamente meia época disputada em Itália, Cristiano Ronaldo assumiu a liderança isolada da lista dos melhores marcadores. O internacional português fez os dois golos da Juventus no triunfo suado sobre a Sampdoria (2-1), que permitiu à vecchia signora manter a confortável vantagem de nove pontos sobre o Nápoles, o mais direto perseguidor, e chegou aos 14 tentos na Serie A, ultrapassando o polaco Piatek, que ficou em branco no nulo do Génova com a Fiorentina.

Em Turim, refira-se, a lista dos goleadores ficou definida unicamente por veteranos - sim, é verdade que até soa estranho referir-se desta forma a Ronaldo, mas a realidade lembra que o astro madeirense celebra 34 primaveras já no próximo mês de fevereiro. Se o CR7 marcou dois para a Juventus, Fabio Quagliarella apontou, de penálti, o golo da Samp. Também ele é um antigo jogador da Juve - aliás, Quagliarella é um antigo jogador de praticamente metade das equipas da Serie A: estreou-se no Torino e passou pela Fiorentina, Samp, Udinese e Nápoles antes de assinar pela Juventus, tendo depois regressado ao Torino e novamente à Sampdoria, que representa desde janeiro de 2016 e pela qual soma já 12 golos esta temporada. Com isto tudo, falta apenas referir a sua idade: o internacional italiano tem 35 anos... e completa 36 no dia 31 deste mês.

É fácil de perceber, olhando para estes números, que em Itália a tradição ainda vai sendo o que era: os trintões têm ali um reconhecimento e respeito (e sucesso, claramente) que dificilmente conseguem granjear e manter noutros campeonatos de topo da Europa. No atual top-10 de melhores marcadores da Serie A, cinco dos goleadores têm mais de 30 anos: Ronaldo lidera, Quagliarella vai em terceiro e depois há ainda Caputo (Empoli, 31 anos) em sétimo e Mertens (Nápoles, 31 anos) e Mandzukic (Juventus, 32 anos) em nono. A desafiar os ‘velhinhos’ aparece o surpreendente Piatek, descoberto esta temporada pelo Génova no modesto campeonato polaco: aos 23 anos, leva 13 golos na primeira experiência fora do seu país, protagonizando um duelo muito interessante com Cristiano Ronaldo. Com dez golos seguem Milik, também polaco, de 24 anos (Nápoles), Duván Zapata, colombiano de 27 anos (Atalanta) e Ciro Immobile, italiano de 28 anos (Lazio); Icardi, argentino de 25 anos (Inter de Milão), leva nove.

A liga onde os velhos se divertem

A mudança de Cristiano Ronaldo do Real Madrid para a Juventus, no último verão, causou estranheza a muita gente, mas a verdade é que o internacional português vai mostrando estar à altura do desafio. É certo que, no que respeita à competitividade da prova, terá descido um degrau ao trocar Espanha por Itália - a Juve soma sete títulos consecutivos e parece bastante claro que irá esta época conseguir o oitavo -, mas a perspetiva de conseguir ser o artilheiro de três dos principais campeonatos europeus (Inglaterra, Espanha e agora Itália) constitui-se como um aliciante muito apelativo para o CR7 - que, ao mesmo tempo, vai alimentando também o desejo de conquistar igualmente a Liga dos Campeões por três clubes diferentes, depois de o ter conseguido uma vez no Manchester United e quatro no Real Madrid.

Caso ainda precise de mais dados animadores, Ronaldo pode olhar para a lista dos melhores marcadores do campeonato italiano desde o início do século XXI: de 2000/01 para cá, oito jogadores conquistaram o troféu estando já dentro da casa dos 30 anos. Não foi o caso a época passada, com Icardi (25 anos) e Immobile (28 anos) a dividir esse estatuto, mas tinha sido, por exemplo, na temporada anterior: aos 31 anos, Dzeko apontou 29 golos no campeonato ao serviço da Roma.

O caso mais extremo aconteceu em 2014/15, quando Luca Toni, que já havia conseguido ser o artilheiro da competição nove anos antes (31 golos pela Fiorentina em 2005/06), apontou 22 golos pelo Verona com a vetusta idade de 38 anos - a título de curiosidade, dividiu o troféu de melhor marcador com Icardi, do Inter, que tinha... 22. Foi o mais velho melhor marcador de sempre do campeonato italiano.

Mais exemplos anteriores levam-nos a Zlatan Ibrahimovic, melhor marcador da Serie A em 2011/12, ao serviço do AC Milan (28 golos), com 30 anos; Antonio Di Natale, o único que conseguiu essa proeza em anos consecutivos desde 2000 (29 golos em 2009/10, com 32 anos, e 28 em 2010/11, com 33, sempre na Udinese); Alessandro Del Piero, artilheiro em 2007/08 com 21 golos pela Juventus aos 32 anos; Francesco Totti, que na época anterior fez 26 golos pela Roma com 30 anos; e o surpreendente Dario Hubner, autor de 24 golos em 2001/02 pelo modesto Piacenza quando contava já 35 primaveras - dividiu o prémio com Trezeguet, da Juventus, que tinha menos 11 anos.

Se fizer na segunda volta o mesmo número de golos que conseguiu na primeira, Cristiano Ronaldo terminará a temporada com 28 tentos no campeonato. Uma marca de respeito, que chegaria para ser o melhor marcador da prova em 12 das 18 edições já disputadas neste milénio. Nas últimas três, porém, seria um pecúlio curto, até porque em 2015/16 o argentino Higuaín (colega do CR7 no Real Madrid entre 2009 e 2013) chegou a uns incríveis 36 golos no campeonato ao serviço do Nápoles, igualando o feito de Gino Rossetti pelo Torino na já muito longínqua época de 1928/29, naquele que é o recorde absoluto em Itália.

Nas 95 edições da principal liga italiana, de resto, foram apenas 11 as ocasiões em que algum jogador superou a barreira dos 30 golos. Gunnar Nordahl, lenda do AC Milan e do futebol sueco (muito antes de Zlatan Ibrahimovic) foi até agora o único a consegui-lo duas vezes - e consecutivas: 35 golos em 1949/50 e 34 na época seguinte. É, ainda hoje, o atleta que mais vezes conquistou a distinção (cinco).

A pulverizar os números lusos

Se alguns dos recordes individuais relacionados com a veterania ainda estão bem longe dos horizontes de Cristiano Ronaldo - como por exemplo o de jogador mais velho a marcar um golo no campeonato, pertença de Alessandro Costacurta, antigo defesa do AC Milan, que o conseguiu aos... 41 anos -, outros já estão um pouco mais perto. Como o de jogador mais velho a apontar cinco golos no mesmo jogo: Miroslav Klose fê-lo aos 34 anos e 330 dias, em maio de 2013, numa goleada da Lazio sobre o Bolonha por 6-0.

Seja como for, em termos nacionais Ronaldo já é o melhor português de sempre numa só temporada em Itália no que a golos diz respeito: soma 14, mais dois do que Rui Barros havia conseguido em 1988/89, também ao serviço da Juventus. Em termos absolutos, com o bis à Sampdoria, Ronaldo ultrapassou Sérgio Conceição, que ao longo de seis temporadas em Itália somou um total de 13 golos, e igualou Nuno Gomes e Fernando Couto, ficando apenas a dois golos de apanhar Bruno Fernandes - o atual médio do Sporting somou 16 nas quatro épocas em que jogou em Itália (três na Udinese e uma na Sampdoria). Mais longe está para já Rui Costa, autor de 42 golos nos 12 anos em que jogou por terras transalpinas (sete na Fiorentina e cinco no AC Milan); é preciso lembrar, todavia, que o astro nascido no Funchal em 1985 já demonstrou por variadíssimas ocasiões que não conhece a palavra ‘impossível’, pelo que nenhum cenário se pode descurar quando ainda faltam cinco meses para o fim da época.