Economia

Boavista contou com a maior parte dos negócios imobiliários de escritórios do Grande Porto

Como maiores transações está "o edifício Urbo Business Center, em Matosinhos, com a instalação do BNP Paribas e o novo centro tecnológico de I&D do Prozis Group, na Maia, (...) ambas com uma área de mais de 15 mil m2", explicou a Predibisa.

DR  

Em 2018, a Boavista foi a zona do Grande Porto que obteve um maior número de negócios na área de escritórios, com 14.600 m2 transacionados. 

Segundo a Predibisa Corporate, responsável pela colocação de uma área total de 42.605 m2 na zona do Grande Porto, a mudança de instalações e a expansão de empresas fizeram parte de mais de metade do negócio total. No entanto, a consultora destaca também a "procura por novas instalações e entrada de novas empresas na região", como impulsionadores deste registo. 

No total realizaram-se 44 negócios. Na Boavista realizaram-se 19 negócios, seguida de Matosinhos e Maia como as zonas com maior número de negócios. "Os setores mais representativos foram o das “Energias Renováveis e Ambiente”, com o maior número de operações, seguido pelas “TMT’s & Utilities” e o setor de “Serviços Financeiros”, com o maior volume de área ocupada", disse a consultora.

Como maiores transações está "o edifício Urbo Business Center, em Matosinhos, com a instalação do BNP Paribas e o novo centro tecnológico de I&D do Prozis Group, na Maia, (...) ambas com uma área de mais de 15 mil m2", explicou a Predibisa.