Sociedade

Documentos encontrados revelam que Rosa Grilo ia lucrar com a morte do marido

A suspeita de matar o triatleta Luís Grilo, seu marido, planeava ficar com 400 mil euros

DR  

"Fui muito enganada. Sempre meti as mãos no fogo por ela, mas agora não tenho dúvidas de que tem alguma coisa a ver com a morte do meu irmão", foram estas as palavras de Júlia Grilo, irmã do triatleta Luís Miguel Grilo que, na semana passada, encontrou mais documentos que provam que esta matou o seu irmão, um seguro de vida. 

A irmã do triatleta está agora à frente da empresa de informática que era do irmão e tem vindo a descobrir, ao longo dos tempos, documentos que provam que Rosa Grilo ia lucrar com a morte do marido. "Ela ia receber à volta de 400 mil euros com a morte do meu irmão", contou Júlia numa entrevista à SIC. "Há um seguro que paga a casa na totalidade", disse ainda.

Júlia Grilo explicou que, após o desaparecimento do irmão, a sua cunhada, Rosa Grilo, fez transferências de dinheiro da empresa para várias contas pessoais. A irmã do triatleta garantiu que todas essas provas já foram entregues à Polícia Judiciária.

Além da situação do dinheiro, Júlia contou também ao canal de televisão que a cunhada pretende agora tirar-lhe a tutela do seu sobrinho, de apenas 12 anos, que ficou entregue à tia após a morte do pai e a prisão da mãe: "Ela, no início, entregou-me o menino. Mais tarde, disse que a guarda era partilhada com o pai dela".

Recorde-se que Luís Miguel Grilo tinha sido visto pela última vez no dia 16 de julho enquanto treinava em Cachoeiras, perto de Vila Franca de Xira e, segundo a Polícia Judiciária, o corpo foi encontrado num caminho de terra batida em Alcôrrego por um popular que fazia uma caminhada.

O corpo estava em avançado estado de decomposição com um saco de plástico na cabeça e sinais evidentes de violência.