Economia

Compra de veículos novos vai aumentar em 2019

No último ano foram vendidos mais 2,8% veículos novos, 228 mil no total 

Em 2018, o setor automóvel registou um aumento de 2,8% no que diz respeito ás compras de veículos novos, o que diz respeito a 228 mil veículos registados. Para este ano, a previsão é ainda mais animadora. 

Segundo a estimativa feita pelo Observador Cetelem Automóvel 2019, a compra de veículos novo deverá aumentar 0,7% enquanto, na Europa, esteve deverá diminuir 2,5%. Além de Portugal, apenas a Espanha e Eslováquia devem registar valores positivos. 

"A recessão nas vendas de veículos a privados parece atingir países com grande tradição no setor, como o Reino Unido ou Itália. Mas o mercado automóvel de particulares em Portugal também não sai ileso, pelo que, depois do crescimento registado em 2018, deveremos assistir a uma estabilização nas vendas", explicou Pedro Nuno Ferreira, Diretor Automóvel do Cetelem. "Se os veículos movidos a gasolina aumentaram significativamente nos últimos anos, e não se prevê que abrandem a curto prazo, os híbridos e os elétricos não ultrapassam, para já, os 6%, e os dados apontam que se aproximarão dos 10% em 2020", conclui. 

À escala global, desde 2010, o crescimento andava sempre na casa dos 5%, mas em 2018 esta aumentou cerca de 1%. "Para 2019 prevê-se uma estagnação, em larga medida devido à quebra registada na China a partir de julho, que implicou uma retração no final do ano de 4,1% (mesmo que este ano volte a crescer, com previsões na ordem dos 2,9%)", indica o mesmo estudo. Nos Estados Unidos, em 2018 assistiu-se a uma estagnação e, para este ano, a previsão é de quebra de 3,9%. Já no Brasil, embora 2018 tenha ficado marcado por um crescimento na casa dos 13,1%, o próximo ano deverá apenas registar 7,2%.

"A gasolina continua a crescer e estima-se que em 2018 tenha chegado aos 54%, mais 6 pontos percentuais que em 2016, e bem acima dos 33% de 2014. As previsões até 2020 apontam para um crescimento constante (2 pontos percentuais ao ano, até aos 58%). Já o diesel continua a perder expressão (40% em 2018, menos 7 pontos que em 2017 e menos 24% que em 2014); as quebras serão também constantes (4 pontos percentuais ao ano, até aos 32%)", explica o estudo. 

O Cetelem destaca os híbridos, uma vez que no último ano registaram um aumento de 5% e prevê-se que já este ano possa aumentar para os 6% e para os 7% em 2020. Já as vendas de veículos elétricos continuam a ser residuais, menos de 1%, e sem expectativa para os próximos dois anos, pois a sua quota de mercado não deverá ultrapassar os 3%", conclui o estudo.